Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (942)  
  Crônicas (726)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2532)  
  Resenhas (131)  

 
 
R$ 27,60
(A Vista)



O RETORNO DE SORAIA
José Sodré de...
R$ 52,30
(A Vista)






   > Dicotomia



Airo Zamoner
      POESIAS

Dicotomia

Por que esta dor que tanto me consome,

Vendo meu corpo divergir da alma,

Não se aquieta quando o amor tem nome

Nem se conforma se mantenho a calma?

 

Por que a velhice que arrebenta a palma,

A pele, a face, o corpo, a sede, a fome,

No meu espírito não deixa trauma

Só deixa a um viço que não há quem dome?

 

Minha’alma se desnuda em aquarela,

mostrando a juventude que atropela

meus sonhos travestidos de arlequim.

 

Meu corpo degradado se esfarela

Enquanto assisto pasmo da janela

O mais decrépito e perfeito fim.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui