Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (942)  
  Crônicas (726)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2532)  
  Resenhas (131)  

 
 
Depressão na...
Josiane Rosa Campos
R$ 31,70
(A Vista)



Como Fazer...
Maristela Zamoner
R$ 21,10
(A Vista)






   > No balé das flores



Carlos Eugênio Sombra Moreira
      POESIAS

No balé das flores



Chegaste com a delicadeza de uma rosa
Feito gota de orvalho em terra fria
No encanto do olhar... versos e prosas
Inspirando na canção, a melodia.
 
Chegaste... e o híbrido dominante daquele jardim
Rende-se ao fascínio, por tamanha ternura
Enquanto os lírios, exuberantes, louvam a ti
E no jeito frugal... suavidade, carícia, doçura.
 
Ao passo que a cor gris do torilo da rosa branca,
Abandona o seu desolamento tornando-se flor
O meu coração de pedra, em seu leito abranda
Para render-se, ao inusitado delírio do amor.
 
Chegaste... e que seja sempiterno esse amor que nutre
Embora transitório, efêmero, visto que é chama
Mas se petrifique a cada fração de segundos que dure
Eternizando-se, nos mais sublimes gestos de quem ama.
 
E, hei de te amar, infinitamente, até o ultimo suspiro
Que este, seja por minha morte (tormento de quem vive)
Que não seja pela falta de amor (prenúncio de quem ama).
 
E se cair no caos da rotina, ou na exiguidade do amor
Em névoas langorosas, possa encontrar-se a sutil razão
Que rege a melodia do nosso amor, a uma nova canção.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui