Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
Abstrato-03-772
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)






   > MADRUGADA FRIA, PÃO QUENTINHO...



Adélia Maria Woellner
      CRôNICAS

MADRUGADA FRIA, PÃO QUENTINHO...

Olhando da rua principal, ali no Alto da Caixa d’Água (hoje av. Castelo Branco, junto à praça das Nações), é difícil supor que, naquela casa grande e bonita, revestida de pedras, existia moderna panificadora: a Marumby, cuidada diretamente pelos dois Osvaldos: o Matte, que a criou e instalou, e o Woellner (Passarinho), seu sócio.
Três e meia da madrugada... Estrelas piscando no céu transparente de Curitiba. O frio intenso indicava que, ao amanhecer o dia, com certeza a geada ainda estaria branqueando a grama e o telhado das casas... e até, a madeira úmida dos dormentes da estrada de ferro e das pontes e pontilhões, tão comuns naquele tempo...
1949... 1950... 1955... os anos passavam e, de terça a domingo, o pão era distribuído, religiosamente, aos “negociantes” e para algumas residências particulares. Segunda-feira era o dia de folga, porque, aos domingos, a folga era dos padeiros.
A maioria dos entregadores de pães utilizava carrinho tracionado a cavalo. Nós, porém, já tínhamos mais conforto: meu pai possuía uma caminhonete Ford-41, carroçaria de madeira, pintada de marrom e amarelo-creme. Bonitona mesmo... Três quilômetros, mais ou menos. E a lama faz escorregar. Acho que não sinto nada. Tenho apenas que entregar o pão dos alunos, que o esperam para o café da manhã.
Sinto-me forte, importante. Nenhuma criança é como eu. Tenho orgulho, porque os amigos do meu pai elogiam meu trabalho.
Já passei da metade do caminho. Agora, o difícil é a descida, sem escorregar no capim molhado. Pela rua, não dá. É muito barro... atola o pé.
Os pés deslizam... preciso equilibrar-me, não posso cair, nem deixar as cangalhas caírem. Se elas caírem, os sacos vão sujar no barro, pães vão ficar molhados, e não tenho força suficiente para recolocá-las nos ombros e não há quem possa me ajudar.
Não posso cair... preciso ficar de pé... tenho que chegar lá... os meninos esperam o pão... E continuo.
Enfim, chego. Do portão, sinto o cheiro gostoso do café passado no coador de pano. Entro na cozinha enorme. O fogão a lenha cospe fogo pela boca aberta. A enorme chaleira borbulha e a água fervendo salta pelo bico, fazendo chiado na chapa quente.
Dona Engrácia vem rápida ao meu encontro. Retira as cangalhas. Coloca-as no chão e me oferece café. Não aceito, tenho medo de perder tempo. Mas ela faz que não ouve. Pega uma caneca de alumínio e me dá o café fumegando. Sinto o calor descer goela abaixo. Só então Dona Engrácia vai abrir a boca dos sacos e despejar os pães na mesa grande, de madeira.
Pego os sacos vazios, coloco-os debaixo do braço e começo o caminho de volta. Agora, livre das cangalhas e do peso dos pães, posso correr. Mas a subida é lisa, difícil. Ainda assim, não perco tempo. É preciso andar... andar... e rapidamente.
Alcanço a curva. Logo abaixo, a linha do trem, presa, parada, do mesmo jeito de sempre. Mais uns passos e posso ver se a caminhonete ainda está lá. Estico o olhar e a vejo. Sinto alívio.
Mas ainda falta um bom pedaço. O coração bate forte, quando penso que talvez tenha demorado e meu pai possa ir embora. E eu tão perto... mas não tão perto que ele me possa ver ou ouvir, se eu gritar. Então corro. A respiração é ofegante. Estou com calor e cansada. Mas tenho medo de ficar sozinha ali. Minha casa é longe. Não posso parar, preciso correr.
Enfim, chego. Posso, afinal, sentar no assoalho da caminhonete e deixar a respiração e as batidas do coração se acalmarem. Tomara que o tempo melhore, o sol seque a lama e amanhã possamos ir de caminhonete...


Texto extraído do livro "Luzes no Espelho - memórias do corpo e da emoção" de Adélia Maria Woellner, que se encontra à venda neste site.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui