Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2513)  
  Resenhas (130)  

 
 
Estátuas-03-163
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Dança de Salão, a...
Maristela Zamoner
R$ 36,60
(A Vista)






   > DIOGO ALVARES CORREA, O CARAMURO ( Luc Ramos)



Luc Ramos
      ARTIGOS

DIOGO ALVARES CORREA, O CARAMURO ( Luc Ramos)

  

 DIOGO ALVARES CORREA, O CARAMURU.

    (Resumo de Luc Ramos)

 

Das pesquisas que eu fiz sobre Diogo Álvares Correa, o Caramuru, boa parte delas entre os índios do Brasil foi esta, que passo a interessados como eu sou pela Historia do Brasil

Segundo amealhei, o fidalgo da casa Real Diogo Álvares, originário do norte de Portugal, Viana do Castelo, nascido por volta de 1473, foi parar na Bahia entre 1509 e 1511, como naufrago de uma embarcação francesa.

Alguns historiadores, dizem que ele viajava para São Vicente, por volta de 1510, quando naufragou nas proximidades do Rio Vermelho, na baia de Todos os Santos.

Seus companheiros foram mortos pelos Tupinambás, mas, ele conseguiu sobreviver e passou a viver entre os índios, de quem recebeu o apelido de Caramuru.

Bem acolhido que foi por causa do seu celebre tiro certeiro que abateu uma gaivota que voava na praia, os índios que não conheciam armas de fogo, logo o apelidaram de Caramuru.

O morubixaba chefe da tribo lhe deu uma das filhas chamada Paraguaçu. Ao longo dos 60 anos manteve contatos com novos europeus que aportavam na Bahia.

As relações comerciais com os normandos levaram-no entre 1526-1528, a visitar a França, onde a sua Paraguaçu foi batizada em Santo-malos, com o nome de Catarina (Katherina Du Bresil) em homenagem a Catherine dês Granches, esposa de Jacques Gartier.

Na mesma ocasião foi também batizada outra índia Tupinambá com o nome de Perrine, o que fundamenta a lenda de que varias índias, por ciúmes, se jogaram ao mar para acompanhar Caramuru quando este partia par a França com Paraguaçu.

Catarina Paraguaçu e Caramuru tiveram vários filhos e filhas, Ana, Genebra, Apolônia, Graça, Gabriel, Gaspar e Jorge Álvares, que casaram com moças da corte que vieram com Martim Afonso de Souza, dos quais descendem as mais importantes famílias da aristocracia baiana, Caramuru foi sepultado no Mosteiro de Jesus, dos jesuítas, em Salvador, onde depois foi enterrada a sua mulher Paraguaçu.

                                           FIM

 

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui