Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
As muletas do...
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



Sexo e Dança de Salão
Maristela Zamoner
R$ 41,90
(A Vista)






   > Infidelidade e perdão: qual a sua relação?



Marlos Mello
      ARTIGOS

Infidelidade e perdão: qual a sua relação?

A literatura a respeito da infidelidade é considerada vasta por todos aqueles que consideram esse assunto importante. Em demasiados momentos essa discussão já foi tema de vários artigos de revistas e jornais, bem como de novelas e filmes. Mas um tema ainda é bastante cultuado, o perdão.

Perdoar a infidelidade é perguntar-se qual o motivo do desejo de satisfação com o outro, do que não se pode ou não se consegue fazer com a pessoa a qual juras de amor foram demonstradas. É ir ao fundo da relação e se perceber frustrado consigo mesmo e com o outro.

Escutar de outro que toda a expectativa, sonho e vontade que você pressentia não possuem valor algum pode simbolizar a desconstrução ou o desmascaramento, não apenas da pessoa que foi infiel, mas, principalmente, daquela que você construiu para defender-se, para não enxergar o que não queria ver.

A situação de infidelidade demonstra ser um dos grandes pesares de uma relação, muitas vezes contida pela dor de não poder demonstrar ou expressar a insatisfação e por certo o findar de um conjunto de escolhas e rotinas.

Embora exista a astúcia em conquistar e possibilidade de acertar, persiste o reflexo da proibição, ao mesmo tempo em que, carregado de temor percebe-se a significação de flertar e sentir-se capaz de ser admirado por alguém desconhecido que preenche o sujeito de expectativa e fantasia.

Cabe então ao sujeito do juízo expressar a sua dor perante o indivíduo que não respeitou a regra principal do relacionamento. Perante este existem as devidas conseqüências, atualmente calejadas e desmoralizadas diante dos valores sociais e comunitários ilustrados a todo instante.Por ventura não são as palavras que revigoram os seres humanos e deleitam o perdão, mas sim a consideração dos indivíduos através do respeito próprio e, principalmente, do bom senso. Talvez esses princípios, provavelmente manipulados, não façam diferença ante os discursos, mas diante da experiência fazem toda a diferença.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui