Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Contradições
Marcos de Sena Pereira
R$ 30,50
(A Vista)



Cidades-01-186
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)






   > Um dia de chuva na Rua Onze



Figueira Valter
      CRôNICAS

Um dia de chuva na Rua Onze

         Na sombra do lírio burguês e na fresca aurora de um dia sonâmbulo e preguiçoso por natureza, a encontramos reta e plena de si mesma, confiante em seus anos idos e freqüentadores passageiros onipresentes em suas ações de más ações.

         Há um grito de louvor a Deus quando surge o sol e desimpede o trânsito raro pelas suas elevações íngremes.

         O sol surge acordando os pardais no telhado do velho casarão, suga impiedosamente as cristais gotículas de orvalho das folhas alegres do salgueiro.

         Após intenso bombardeio de luz irradiante da estrela deusa. Após gotas de lágrimas do luar não resistirem à  força do calor, evaporarem e subirem ao grande teto azul. Surgem então, partículas amareladas, cor de terra, gosto de poeira. A poeira, devassa em sua natureza: intrometida em sua personalidade, surge intrépida e incoerente nos lugares que lhe convém e que ninguém a espera. E quem há de esperar?

         Tudo passa como uma imagem descolorida onde esperávamos uma colorida alameda. Infelizmente, seus lares que, quem sabe, podem ser doces nos mostram um semblante mistificado e desdobrado pelo tempo que não é muito. Chamam-te de avenida, ironicamente é claro. Se não bastasse perder lugar de destaque para ruelas miúdas e alegres no seu dia-a-dia.

         Ao crepúsculo ouvimos a ópera dos sapos nos convidando ao repouso noturno. A cobertura de cimento-amianto que mais parece zinco incomoda quando começa pingar os primeiros sinais de uma chuva forte que vem do poente. Vento, água. Água, vento. A enxurrada lava a calçada e leva alguns sonhos do passado para a rua.

         E assim finda o dia na Rua Onze, como se nada tivesse mudado como se nada tivesse acontecido. 

VALTER FIGUEIRA –



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui