Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (942)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2531)  
  Resenhas (131)  

 
 
Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)



O pássaro Refletól
Lucas Borba
R$ 38,50
(A Vista)






   > Dicotomia



Airo Zamoner
      POESIAS

Dicotomia

Por que esta dor que tanto me consome,

Vendo meu corpo divergir da alma,

Não se aquieta quando o amor tem nome

Nem se conforma se mantenho a calma?

 

Por que a velhice que arrebenta a palma,

A pele, a face, o corpo, a sede, a fome,

No meu espírito não deixa trauma

Só deixa a um viço que não há quem dome?

 

Minha’alma se desnuda em aquarela,

mostrando a juventude que atropela

meus sonhos travestidos de arlequim.

 

Meu corpo degradado se esfarela

Enquanto assisto pasmo da janela

O mais decrépito e perfeito fim.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui