Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
A Turma do Morro do...
Marcos Wagner Santana...
R$ 33,70
(A Vista)



R$ 27,60
(A Vista)






   > Quem é Roberto hoje?



Roberto de Souza
      ARTIGOS

Quem é Roberto hoje?

Na semana passada, eu falei sobre os momentos vividos numa UTI, rodeado de tubos, fios, tomando remédios horas a fio e neste momento crucial, fiz uma reflexão, pensando nos motivos de encontrar-me naquela situação e o que poderia fazer para não voltar àquele estado. No final, propositadamente fiz a pergunta que é o tema do nosso artigo de hoje.
O ser humano tem o costume de defender-se, arranjando desculpas, achando que é coisa do destino, pensando que aquilo estava predestinado a acontecer.
Mas eu sabia, tinha certeza que estava naquela situação porque minhas ações levaram a viver naquelas circunstâncias. Tinha saído da atividade que por mais de seis anos atuei como supervisor, com um bom conhecimento das ações; não estava mais na gerência de Recursos Humanos, onde trabalhei por vários anos; concluindo o curso universitário, e enfrentando desafios, dissabores devido a professores incompetentes; resultado: buscava realizar várias coisas ao mesmo tempo e isso era ruim. Minha mente fervilhava de idéias e meu corpo fervilhava de estresse, depressão, cansaço físico, insônia.
Primeira coisa a ser feita era ter um projeto de vida. Através das aulas ministradas por excelentes professores, de pesquisa feita em livros e revistas periódicas partir para o meu projeto de vida. Era a idéia mais acertada naquele momento! Meu projeto de vida pensava nas ações para 2, 3, 4 e 5 anos. O que eu seria daqui a cinco anos? O que eu teria daqui a 4 anos? Se haveria uma mudança, eu analisei os prós e os contras da minha futura decisão? Como estavam meus relacionamentos?
Três meses após os maus momentos na UTI, voltei para a gerência de Recursos Humanos depois de considerar os prós e os contras. Vi que como supervisor não era reconhecido e valorizado pela minha gerência anterior, sofrendo inclusive assédio moral. Portanto, larguei a “panela quente”. Tinha que mudar e, qualquer mudança gera temor. Mas, pior seria continuar como estava. Por questão de tempo, só vou mencionar esta mudança e falar de quem sou eu hoje.
Hoje sou uma pessoa vivida, concluindo a graduação e já iniciado na pós-graduação em Metodologia e Didática do Ensino Superior, tendo em vista que ensinar é minha paixão; tornei-me palestrante internacionalmente desconhecido, mas, muito conhecido na minha vizinhança; voltei a trabalhar na gerência de Recursos Humanos e agradeço todos os dias ao Grandioso Criador pelos belos momentos que tenho vivido com essa mudança. Já viajei a serviço pela empresa para participar de cursos, encontros, em Búzios, Fortaleza, Papucaia no Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador – minha terra natal; No segundo semestre deste ano, além da pós-graduação estarei iniciando um curso de inglês; em 2007 fui pai por três meses, mas, infelizmente “ela” morreu e tive que reprogramar minha vida; amei ser pai, amei engravidar. Começo o dia agradecendo a Deus por tudo de bom que ele me deu; tenho boas amizades, e sou bem conhecido profissionalmente e pessoalmente dentro da Petrobras o que me deixa contente, orgulhoso (no bom sentido); cuido da minha segurança e a dos meus colegas, sendo membro e secretário da CIPA.
E minha conquista mais recente foi ser autor, com o apoio desta conceituada editora. Por que resolvi escrever um livro? No próximo artigo eu responderei.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui