Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (590)  
  Contos (862)  
  Crônicas (705)  
  Ensaios (142)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (176)  
  Pensamentos (521)  
  Poesias (2371)  
  Resenhas (119)  

 
 
A arte de escrever,...
Airo Zamoner
Sumário 
A dúvida: sou mesmo um escritor? 
É preciso ler 
Como escrever bem 
O que é, afinal, o tal estilo? 
Composição do estilo  ...
R$ 48,00
(A Vista)



Como formar um cidadão...
Maria Alessandra...
R$ 18,20
(A Vista)






   > Nunca é tarde para recomeçar



Luiz Antonio Polli
      CRôNICAS

Nunca é tarde para recomeçar

Sentado embaixo de uma árvore, com uma câmera fotográfica na mão, olhando para o horizonte avistava as lindas montanhas, os pássaros que cantavam, essa era a sua maior riqueza, registrar as paisagens e guardar tudo com o maior carinho... Logo abaixo havia uma linda cachoeira, em que todas as tardes de verão costumava sentar-se sobre uma pedra, pegar o seu caderno e uma caneta e começava a rabiscar alguns textos, poemas. Essa era a vida de um menino do interior que sonhava em ser escritor e, através de suas obras, conquistar o mundo. Romântico, verdadeiro e de opinião formada essa era a sua personalidade... O tempo foi passando, e esse menino precisa se mudar, com uma forte dor no coração deixa o sítio, a casa, a família, e vai tentar uma oportunidade na cidade grande. Parecia ser tudo fácil, que as coisas iriam se encaminhar e logo estaria sendo considerado um grande escritor, mas infelizmente não era assim, em todos os lugares aonde chegava, as portas eram fechadas, as suas economias acabaram e ele precisou ir trabalhar, mas o que ganhava dava mal pra cobrir as suas contas, ele estava decepcionado, achando que nada daria certo, pensava em abandonar tudo e voltar para o interior. Andado sem destino, ele avista uma linda mulher, e se apaixona sem se quer conversar com ela, ele suspira profundamente e pensa em seu coração que o seu lugar era ficar, e lutar por todos os seus sonhos e um dia conquistá-la. E assim fez, nas noites frias, sentava na calçada, vinham as lembranças de sua infância, as montanhas pareciam que tinham se transformado em arranha-céus, os pássaros não cantavam mais, no lugar havia um barulho infernal dos carros, o cheiro das flores do campo foi trocado por uma poluição que o sufocava e assim era sua vida, escrevia seus poemas sentado nas calçadas da grande cidade. Das alegrias que ele vivenciou na infância restavam somente as fotografias e suas escritas, que carregava junto a ele em sua bolsa. Ele sempre acreditava no destino e acreditava que nada acontecia por acaso, e sim, que tudo tinha um propósito.
Um dia, ele saiu correndo para uma nova entrevista de emprego, atrasado, e com medo de perder essa nova oportunidade, ele se desviava das pessoas que caminhavam pela calçada, os sinais para a passagem dos pedestres se encontrava fechado, mesmo assim ele atravessa entre os carros, ansioso, correndo e cansado, ele não consegue observar que um carro vinha em uma velocidade avançada, o carro freia, os pneus gritam entre o asfalto, e não conseguem parar, um acidente acabava de acontecer em uma manhã, em pouco tempo reúne-se uma multidão para ver o que tinha acontecido, o resgate chega logo em seguida, em pouco tempo é feito o resgate, e ele é encaminhado para o hospital.
Após ter ficado sedado em uma cama de hospital, ele acorda, e a primeira pessoa que ele vê em sua frente é a linda mulher que ele havia se apaixonado, seus olhos encheram de lágrimas, e não sabia o que havia acontecido. Ela, quando percebe que ele estava com seus olhos abertos, lhe perde perdão, por ter batido com o carro nele, sem poder falar, confuso, as enfermeiras retiram ele dali, levando-o para o quarto, e inicia um longo processo de recuperação, ele retorna às suas atividades novamente.
Saindo do hospital, ele tem uma surpresa, quando ele sofreu o acidente, a mulher pegou a sua bolsa e então, a devolve, ele pega e fica olhando firmemente em seus olhos por alguns instantes. Agradece, vira as costas e sai. Não sabendo por aonde ir, suas contas todas acumuladas, revolve voltar para o interior. Dentro do ônibus, ele estava voltando, com muita vontade de chorar, por se sentir um fracassado, ele resolve abrir a sua bolsa, a que a mulher tinha lhe devolvido, vê que havia uma carta lá, ele a abre... “você é uma pessoa de muito talento, com lindas imagens registradas, e com textos que mudaram a minha vida, chega logo, que eu estou te esperando”. Não sabendo o que estava acontecendo ele segue viagem.
Chegando onde passou a sua infância, o primeiro lugar aonde vai, é sentar-se embaixo da árvore e poder avistar as montanhas, permanecendo por um longo tempo ali, depois ele desce até a cachoeira, senta-se sobre a pedra e começa a chorar, de repente sente uma mão sobre o seu ombro, olha para trás e vê a linda mulher, ela senta-se ao seu lado e diz:
_ Por todo o tempo que você passou sofrendo no hospital por minha causa, eu tomei a liberdade de abrir a sua bolsa para ver quem você era, quando fui pegar seus documentos fiquei encantada com tudo o que encontrei, sem ninguém perceber eu peguei sua bolsa e passei a ler tudo o que você escreveu, e registrou no decorrer de sua vida, confesso, a partir de hoje, eu quero viver com você.
E assim foi, a linda mulher, uma modelo famosa, que se apaixona por um simples escritor, que sonhava em ser famoso e conquistar o mundo, e que retorna às raízes de sua vida para poder recomeçar.
“Nunca saberemos do nosso futuro, a única certeza que temos é que nunca podemos deixar de sonhar e acreditar, nunca conquistaremos o mundo, mas, feliz do homem que conquista o  coração de uma linda mulher”.
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui