Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2527)  
  Resenhas (129)  

 
 
A Princesinha Adelaide...
Jayara Ribeiro Rocha
R$ 21,80
(A Vista)



R$ 55,70
(A Vista)






   > DESMONTE LITERÁRIO EM REDE



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      ARTIGOS

DESMONTE LITERÁRIO EM REDE

DE COMO ESCAPAR DO APRISIONAMENTO LITERÁRIO EM     ESCOLAS  PÚBLICAS

Resumo

Como as escolas públicas trabalham a literatura? Talvez, seria melhor se questionar o que os estudantes de educação básica fazem para escapar dos aprisionamentos de prescrições arbitrárias dos livros didáticos? Inegavelmente, as propostas pedagógicas  para o ensino da literatura trazem em seus pacotes uma lista de autores/obras integrados aos cânones literários que devem compor os conteúdos prioritários para as discussões fechadas nos manuais didáticos. No entanto, quando as escolas são coniventes com a negação da política da criatividade, bem como o compromisso da existência, resta a cada professor trabalhar para modificar a ordem da lei. A mudança poderá começar pela literatura desmontada. Experiência exitosa que começou numa escola pública do interior da Bahia com apenas uma turma de Ensino Médio, e atualmente contagiou toda a escola.  Assim, o texto literário abraça outros signos e é transmutado para  charge, cartum, história em quadrinhos, anúncios, horóscopo, grafite, carta, bilhete, telas, notícias, entrevistas e tudo que a imaginação levar para incentivar a leitura e formação do leitor crítico. A desconstrução do signo literário é possível por defendermos uma política cultural libertária e autônoma, tão bem defendida por Moreira Santos(2011, 2012), Deleuze e Guattari (1997), Derrida (2001) e Roland Barthes (2001).


Ps: Texto apresentado no Seminário Inovação da UNEB em Barreiras- BA / 2012

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui