Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
Os filhos di dora
Carlos Augusto Vieira
R$ 67,40
(A Vista)



Ensaios - Filosofia...
Maicon Martta
R$ 36,90
(A Vista)






   > Melancolia



Amarilia Teixeira Couto
      POESIAS

Melancolia

Melancolia



Alguns sentimentos às vezes dominam
a gente,
e não adianta ignorar as emoções,
elas vêm se apoderando
da mente
e sem deixar espaço pra mais nada,
vão solapando
tudo o que foi construído
ao longo do tempo.
Chega a arrebentação.
Tal qual uma onda gigante
que se quebra na praia,
o sentimento que nos vence
a razão
chega muitas vezes
intempestivamente
e causa convulsão.


Da alegria quando nos invade
é fácil falar.
Ela só rompe os diques
da sensatez,
faz o juízo ir embora
e o riso vira gargalhada,
mudando a toada da vida,

E se é a saudade que chega,
o movimento da alma é outro,
as sensações se esmaecem,
ou talvez se enternecem,
abrindo os braços ao vazio.

O que dizer então da melancolia?
É um saudosismo diferente,
mais dolente,
é um querer do que não se sabe bem,
uma ausência do que ainda não foi vivido,
do que é um ilustre desconhecido,
mas que dá vontade de ter
ao lado.
Como se os ocos de nossa alma
pudessem ser preenchidos
por esse algo indefinível.

Às vezes sinto-me assim:
melancólica,
surumbática,
extemporânea.
Tanta coisa intraduzível.
Ou será que não fujo à regra
e entrego a leveza do meu ser
ao peso tão humano da existência?

Se penso,
logo existo.
E quiçá por existir,
posso sentir
até melancolia de vez em quando.
Por que não?


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui