Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)



Educação Ambiental na...
Maristela Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)






   > Encantamento



Amarilia Teixeira Couto
      POESIAS

Encantamento

Encantamento ( tempo de quaresmeiras)

Quaresmeira lilás
copa fechada florida
inspira o céu
ilumina o sol
encanta o universo
Quaresmeira florida
copa fechada lilás
brilha o olhar
alimenta a alma
Quaresmeira encantada
florida e lilás
inspira um novo tempo... ( Pedro César Batista- extraído do internet)




Meus lhos andam bem desanuviados
E se contrastam com o meu coração
que anda meio confrangido
É que o Senhor dos tempos
e de tudo da vida
Dos destinos
E de todas as causas
Arranja sempre um jeitim mais doce
Algo que surpreenda
Quando os olhos já se cansam da mesmice
Ou se voltaram para dentro
Se encolhendo e se escondendo de visões
Que não compensam

De repentemente meus olhos
São capturados por quaresmeiras em flor
Lindas
Brejeiras
Pequeninas
Ou bem grandonas
Lá estão elas onipresentes
Oniscientes
De sua graça
De seu encanto

E para o meu grande espanto
A sua magia se espraia
Pelas nossas praias particulares
E bem singulares
Várzeas
Quintais
Matagais
Sertões
E um território-continente
De ilusões


Os tons lilases
Róseos
Roxos
Multiplicam-se deliciosamente
Como se fora a multiplicação de pães
lá de cima o Pai determinou:
Que nenhum cantinho
Nenhuma estrada
Por menor e mais poerenta que seja
Que nenhum lugarejo
Por mais abandonado que esteja
que nenhum pedaço de chão
Nenhum estradão a perder de vista
Seja negado um naco de beleza
Um frescor do colorido
Alegre e delicado
De uma quaresmeira em flor

E assim dito
Deu-se o milagre da profusão de flores

E a natureza mais uma vez
Tal filho abandonado
Que tem temperança e quer vencer na vida
Deixou as mágoas de lado
E nos deu de presente
Essa belezura toda
Que se esparrama por qualquer cantim
Onde o olhar alcança

E se o meu olhar anda
cabisbaixo ultimamente
Por motivos outros
Que não cabem nestes versos
Passei até a espichá-lo no lá- longe
Bem mais que a minha miopia permite

E cada vez que um pezinho
Tão frágil me aparece do nada
Do meio de um poeirão
E ainda assim o roxo vivo
Da paixão
se destaca
Ou naquele pé grandão
Fornido e robusto
Como a mulher bem amada
É o rosa suave
entremeado com nuances mais vivas
Que me seduz
Me encanta
E me faz sorrir sozinha


Ah natureza bela
Soberba
Imprevisível
A gente acabou de se deliciar com os ipês
De todas as cores
Que já nos chegam antes
e se prolongam um pouco mais
E quando já vamos ficando assim
Com o olhar baldio de deslumbramento
Aparecem essas arvorezinhas abençoadas
Delicadas e fortes a um só tempo
E nos fazem capitular na tristeza
No desalento
Na desesperança



Algumas orações nos chegam assim
Em forma de flores
Cores
E fragrâncias
Numa elegância
Bela e sedutora
Pra nos avisar
Que o tempo urge
Passa ligeiro
Como amor de verão
Mas ...
Com as quaresmeiras em flor
O convite pra ser feliz
Foi proposto divinamente

Você pode fazer sua opção:
Quer ser feliz
Ou não?



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui