Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Passagens-03-114
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



CICLO
Airo Zamoner
R$ 17,80
(A Vista)






   > PERDEU!



Ana Flores
      CRôNICAS

PERDEU!

Quase não se percebe sua aproximação. O centroavante surge do nada, confunde o passante como um Garrincha do asfalto, arranca-lhe a pasta da mão e sai correndo. Às vezes são dois zagueiros: enquanto um agarra o incauto, o outro tira-lhe relógio e puxa-lhe a carteira do bolso traseiro da calça, ao som do grito de guerra – Perdeu!. E somem na multidão, num trabalho perfeito de equipe.

Adiante, o exímio tocador de cavaquinho empurra a idosa que passa distraída, solta o grito de guerra enquanto a derruba no chão e fica com o envelope do pagamento de sua aposentadoria. Joga-o para o companheiro e corre cada um para um lado.

Na praia, agrupam-se o técnico de informática, o enfermeiro, o professor, o atleta, o cientista, o mecânico, o piloto, o bombeiro e, bem ensaiados, lançam-se sobre os que tomam sol e conversam despreocupados. Arrastam tudo o que vêem pela frente, assustam os banhistas com seus gritos e sua violência e somem correndo, deixando o caos e o terror atrás de si.

À noite, sentada no meio-fio, uma jovem veterinária, grávida de oito meses, olha de longe seu primeiro filho no colo de uma dentista, que tenta sensibilizar os motoristas parados no sinal a lhe darem dinheiro para cuidar da criança. Em breve, quando o outro bebê nascer, será mais um a ser usado na tentativa de comover outros motoristas em outras esquinas da cidade. Nessa mesma equipe, a enfermeira, o jóquei e o árbitro de futebol limpam os pára-brisas de carros para dividirem a féria do dia com o dono do ponto.

Ao pátio de uma instituição para reabilitação de menores, chega a nova leva de internos do dia - um ator, um salva-vidas e um compositor. Estes já sentiram o gosto de sangue, quase todos são jurados de morte e usam o tempo ocioso na instituição para o planejamento de estratégias e novos golpes para quando saírem dali.

Nas ruas, os que ainda não foram apanhados continuam as ações-relâmpago acompanhadas pelo mesmo grito de guerra. A cada uma dessas vitórias, os profissionais que um dia eles poderiam ser desaparecem antes de existirem. Vão-se poetas, jornalistas e Djs, entre tantos outros, porque Caveiras, Dedinhos e Bilus têm pressa de viver e de aproveitar a qualquer preço o pouco tempo de vida que lhes resta. Exatamente como suas vítimas, que perderam o relógio, a bolsa ou a vida, eles mesmos já haviam perdido todos os direitos antes de nascerem, inclusive o de passar dos vinte anos de idade. Tiveram o azar de nascer num país que, voluntariamente, década após década, deixa uma enorme parcela de sua população à margem de tudo. E que, justamente por isso, é o grande perdedor nesse reality show nacional.
Junho 2005


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui