Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
SÓ RIA, mesmo que...
Roberto de Souza
R$ 39,52
(A Vista)
INDISPONÍVEL

Davi o rei de Israel
José Carlos de Faria
R$ 26,80
(A Vista)






   > Covardia



Amarilia Teixeira Couto
      POESIAS

Covardia

Covardia 
Quando se é covarde no amor?
Ah, tem muitas formas de covardia
Uma delas principia
Pela falta de verdade
Quando alguém se aproxima
Sem fazer alarde
E se instala num coração qualquer
 
 
E mansamente
Vai  se tornando posseiro
Do coração
Da alma
Do corpo inteiro
 
Todo o idílio tem
Para o amor covarde
Prazo de validade bem definido
Mas só quem age sub-repticiamente
Sabe de quando irá embora
 
 
O falso amor brilha
E rebrilha como jóia rara
Encanta
Põe banca
Mas nunca mostra sua cara
Como verdadeiramente é
 
O desejo
O tesão
A lascívia
E um carinho sem
Fim
São marcas
Deixadas por um amor assim
 
 
E quem não quer
Então um amor covarde?
é que a dor que se sente
Com alguém que se vai
Fora de hora
Que não conhece a compaixão
E nem quer saber de sua história
E demasiada
Quase insuportável
 
A gente se entrega
De tal forma
Se revela em sua
Verdade absoluta
E
De repente
O que parecia para sempre
Se vai
 
Olhos nos olhos pra dizer o motivo?
Choro sentido pra justificar o fim?
Mãos trêmulas denunciando o adeus?
 
Nada...
Nada...
Nada...
 
 
Apenas algumas palavras frias
Apressadas
Tão diferentes de outras
Ditas lá atrás quando o desejo
Estava nas entrelinhas
 
O falso amor se veste de cordeiro
Mas é lobo devorador
Quando faminto
Te devora inteira
E te ganha como sedutor
Apresenta mil facetas
Te revira pelo avesso
Te fazendo levitar
 
 
Mas o que é falso
Perde o encanto
Mesmo se
Pra teu grande espanto
Ele ainda te seduzir
 
 
É que o falso amor
Morre de despeito
Daquele que é real
Ele se vai
Em busca de outras presas
Mas terá a certeza
Que a mulher que foi sua
O tempo todo
Que não fez uso de nenhum engodo
Será sempre mais feliz
 
Amor de verdade
Vive da luz
E não das trevas
Conjuga o desejo
Com a ternura
Semeia carícias
E colhe  a entrega
Espontânea
Que sobrevive à espera
Sem desespero
 
 
O falso amor anda por aí
À espreita de muita gente
Que anda tão carente
Que não mais o distingue
Do original
 
Quem pode dizer
Que já mão teve na vida
Um amor pirata?
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui