Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
Dança de Salão:...
Maristela Zamoner
R$ 29,80
(A Vista)



Sexo e Dança de Salão
Maristela Zamoner
R$ 41,90
(A Vista)






   > Que o tempo voe!



Amarilia Teixeira Couto
      POESIAS

Que o tempo voe!

Que o tempo voe!

E agora, o que eu vou fazer?
Se os seus lábios ainda estão molhando os lábios meus?
E as lágrimas não secaram com o sol que fez?

E agora como posso te esquecer?
Se o teu cheiro ainda está no travesseiro?
E o teu cabelo está enrolado no meu peito (...)
(Nando Reis)



Você mentiu
E na sua mentira
vislumbrei uma verdade
Tão incontestável
Como o nascer e o pôr do sol


Percebi o quanto é frágil
O sentimento de quem não é verdadeiro
O quanto se desconhece
Quem não mergulha em sua emoção
Por inteiro
O quanto podem ferir os lábios
Que beijam macios
E mordem palavras falsas e vazias

“E agora como posso te perder?
Se o teu corpo ainda guarda o
Meu prazer?
E o meu corpo está moldado com o teu?”

Vou ficar à deriva do tempo
Vou pro cais do porto
Esperar que o navio da saudade
Traga meu amor de volta

É que ele se perdeu nas teias da mentira
Que a vida lhe ensinou a tecer
Nesse emaranhado
Toda a sua verdade virou labirinto
E tão somente o seu instinto
Viril e lindo
sobreviveu

E ele quis partir sem minha permissão
Deixei? Aceitei?
Não! Não! E Não!


Mas quem aprendeu às duras penas
Algo sobre o amor
Sabe
Que é na liberdade
Que o amor acontece
E se eterniza


Pra que um sentimento seja lindo
E seja laço
Pra que não vire nó
E torture sem dó
Os amantes
Há que deixá-lo ir
Há que se despedir
Sem querer
Há que se chegar à janela
Feito donzela namoradeira
E acenar até que dobre a esquina

“Ele assim como veio partiu não se sabe pra onde”

Agora só que quero que o tempo voe
Passe bem ligeiro
E que soberano,
Sempre senhor da razão,
desperte no meu bem a saudade
de todo o desejo ...
de toda a ternura...
de tudo...
tudo...
tudo...



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui