Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Vim te contar vinte...
Airo Zamoner
R$ 39,70
(A Vista)



O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)






   > LITERATURA É TALENTO DE INVENTOR



João Evangelista de Assunção
      CRôNICAS

LITERATURA É TALENTO DE INVENTOR

                  O escritor é compositor de obras literárias, capaz de fazer viajar pelo céu, pela superfície do nosso planeta, pelo mar, centro da terra, fundos dos oceanos e na imensidão do universo a imaginação do leitor. O escrevedor é um grande inventor.  
                 Bem disse o mestre Machado de Assis em Memórias Póstumas de Brás Cubas: “Entre a morte do Quincas Borba e a minha, mediaram os sucessos narrados na primeira parte do livro. O principal deles foi a invenção do emplasto Brás Cubas, que morreu comigo, por causa da moléstia que apanhei. Divino emplasto, tu me darias o primeiro lugar entre os homens, acima da ciência e da riqueza, porque eras a genuína e direta inspiração do céu”.
                 Os dois últimos anos foram os que mais li livros na minha vida. Alguns superinteressantes, agradáveis, uns difíceis e chatos que ainda nem terminei a leitura, entre os que ainda não acabei de ler está “Grande Sertão Veredas”, do João Guimarães Rosa, faz anos que pego o livro começo a ler com cuidado, com carinho, logo, logo tenho que suspender a leitura. Visitei a casa do autor em Cordisburgo/MG, conhecendo mais o escritor, para entender melhor a linguagem usada no livro. Um dia terminarei a viagem conhecendo as serras, rios, grutas e os sertões de Minas Gerais através das páginas do famoso livro. Aprendi muito lendo e relendo bons livros. Dizem que lendo se aprende a escrever. Não domino a parte da língua responsável pela grafia correta das palavras chamada de ortografia, mesmo assim, acho que já aprendi a colocar o pensamento no papel. Também descobri que podemos escrever uma história de várias formas. Um exemplo: a história da guerra de Canudos eu li em três versões e são parecidas. A primeira contada pelo General de Exército Tristão de Alencar Araripe: “Expedições Militares Contra Canudos”. A mais famosa escrita por Euclides da Cunha “Os Sertões” – A mais interessante e a que mais me fez e me faz consultar os dicionários, escrita pelo Professor e Poeta Paschoal Villaboim Filho “Canudos”, narrada num poema com 4.109 versos, distribuídos na chamada oitava rima. Alguns entendidos e especialistas no assunto consideram semelhante à obra de Camões “Os Lusíadas”, também ao “O Caramuru” do Frei José de Santa Rita Durão.
                 Anos passados tive a honra de ler Vidas Secas do Grande Graciliano Ramos, a narrativa e a exposição do ambiente são excelentes. Muito me ensinou. Mas a história é dura. O sofrimento da família é muito triste. Não acredito que no nordeste tenha existido um vaqueiro tão frouxo quanto o Fabiano. Nas mãos de um vaqueiro lá das minhas bandas, o soldado amarelo teria levado umas cutucadas de peixeira ou no mínimo uns “panos de facão,” para aprender a respeitar o Caboclo. Aliás, acho que o Fabiano não era caboclo, pois entendo que esta definição está para cabras de cores misturadas: negro com branco, índio com negro, branco com índio e os mamelucos. O escritor descreve o Vaqueiro como sendo um homem de pele clara queimada pelo sol, cabelo avermelhado, barba por fazer e olhos bem azuis. Na minha terra o cabra está mais para “fogoió”. Mas é uma linda invenção que os especialistas chamam de ficção.
                Também tive o privilégio de em anos passados ler o Alquimista do escritor Paulo Coelho. A narrativa e a descrição não tem a riqueza de Vidas Secas, mas a história é linda. Acredito que o romance do Graciliano inspirou o Paulo. A História do também vaqueiro, mas de ovelha é diferente da saga do Fabiano, sua mulher Sinhá Vitória, os dois filhos e sua cachorra Baleia. Santiago era um vaqueiro letrado: lia bons livros, estudou latim, espanhol, teologia e durante a viagem da Espanha para o Egito, atravessando o deserto em busca do tesouro aprendeu a falar árabe. Mas era um vaqueiro que assim como o Fabiano, usava um alforje, cuidava bem das suas ovelhas e teve vários mestres. Um desses professores possuía um falcão que capturava lebre para alimentá-los no deserto. O Fabiano não sabia ler, tinha dificuldade para falar devido à pobreza do seu vocabulário, teve apenas um mestre: seu Tomás da bolandeira, também tinha a cachorra baleia que capturava preás para a família comer na caatinga.
                Muitos alunos da minha época de estudante leram Vidas Secas por obrigação. Nestes casos nem sempre se aproveita o que tem de melhor no texto. Conheço algumas pessoas que leram o Alquimista para fortalecer o espirito e tratam o livro como sendo de autoajuda, para mim é uma maravilhosa ficção. Entendo que todo livro é de autoajuda, porque sempre aprendemos alguma coisa quando lemos. Também conheço pessoas com um bom nível intelectual, que às vezes leem uma orelha do livro, escutam uma critica aqui, ali, outra acolá e formam uma opinião preconceituosa sobre a maravilhosa obra. Deixam de ler e aproveitar grandes momentos da história, um exemplo: os encontros amorosos no clarear do dia entre o casal Santiago e Fátima cheio de emoção quando ela buscava água na fonte. Nessa fase da leitura lembrei-me do Patriarca da literatura brasileira José de Alencar que no livro Iracema relata um dos encontros da Virgem dos lábios de mel e o guerreiro Martim: “Cedendo à meiga pressão, a virgem reclinou-se ao peito do guerreiro, e ficou ali trêmula e palpitante como a tímida perdiz, quando o terno companheiro lhe arrufa com o bico a macia penugem. O lábio do guerreiro suspirou mais uma vez o doce nome, e soluçou como se chamara outro lábio amante. Iracema sentiu que sua alma se escapava para embeber-se no ósculo ardente”. A maioria das pessoas da minha geração leu o primeiro livro de autoajuda na faixa dos onze aos quinze anos de idade, o precioso livro: “O Pequeno Príncipe do piloto Antoine Saint-Exupéry.
                  As histórias relatadas, registradas nos livros, que apreciamos e aprendemos a chamar de literatura: são grandes e lindas invenções, que só pode ter sido inventadas e criadas nas cabeças dos grandes escritores.
                 Não estudei o suficiente para concluir o terceiro grau. Portanto não tenho graduação, mas sempre gostei e gosto dos livros. Às vezes imagino que por ser fã da vida literária, dessa linda arte de escrever, compor versos e prosa: as minhas duas filhas são formadas em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília. O que me faz um Pai feliz e um leitor muito agradecido à literatura e aos seus talentosos inventores.
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui