Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
CICLO
Airo Zamoner
R$ 17,80
(A Vista)



R$ 46,40
(A Vista)






   > Amar se aprende amando.



Amarilia Teixeira Couto
      ARTIGOS

Amar se aprende amando.


Gosto de falar das inquietações da alma humana.O adjetivo aqui não é um pleonasmo, uma vez que as descobertas científicas vem a cada dia nos surpreendendo.Então já não podemos afirmar(se é que pudemos um dia) que alma ou espiritualidade refere-se apenas a homens e mulheres.Certo é que me apraz discorrer com meus parcos conhecimentos sobre os meandros dos sentimentos, as vicissitudes do coração.
Sempre que estou num grupo de mulheres, o assunto dominante é o mesmo: homens!E a conversa acaba resvalando para os infortúnios ou as frustrações amorosas.É um tal de "agora estou sozinha e quero continuar assim, antes só do que mal acompanhada", "Chega! Aguentei tempo demais com aquele traste.Vou viver a minha vida e não estou nem aí pra mais nada!","Você viu o que aconteceu com a Vera? Pois é.Ela deu mordomia pro cara e olha no que deu.Homens, bah!" E por mais estranho que possa parecer, quando tenho a oportunidade de fazer parte de um encontro em que os representantes do sexo masculino são maioria, o conteúdo das conversas é muito semelhante.Alguns exemplos que corroboram minhas observações:"Já não dá pra ficar em casa não, cara.Minha mulher perdeu a noção.Reclama o tempo todo!" , "Estou pensando em arrumar uma amante pra valer.Minha mulher só pensa em comprar.Na hora do sexo, só fala em cartão de crédito.Não suporto mais!"
Embora sejamos seres diferentes em muitas coisas,num ponto a gente é igualzinho:Queremos ser amados!Se vivemos num descompasso, se não sabemos o que fazer, se não lidamos bem com nossas emoções e não sabemos resolver nossas pendências amorosas isso é outro departamento.O que vejo de estranho em tudo isso, é que a gente sofre um bocado com nossas experiências afetivas e não consegue tirar proveito do que vivemos.Se um atleta ,para conseguir uma medalha, tem que superar os seus limites, tem que aprender com a dor e buscar sempre ser melhor, é porque para ele todo o processo é imprescindível até atingir a glória.Assim também acontece com quem se prepara para um concurso de peso.O candidato que quiser obter sucesso, não pode pensar como perdedor.Se o seu objetivo é firme, ele enfrentará o processo seletivo quantas vezes forem necessárias até conseguir.E em cada tentativa a tendência é se sair melhor, pois aproveitou tudo o que foi cobrado anteriormente, corrigiu os erros e buscou o melhor de si.Por que então em tempos de tantos avanços comportamentais, de tanta liberalidade de costumes, não conseguimos tirar proveito de nossas variadas relações afetivas?Que tipo de pensamento reducionista ou preconceitos arraigados trazemos conosco que nos impedem de agir de forma assertiva com nossos(as) parceiro(as)? Por que tanta insatisfação e solidão? É claro que não tenho as respostas.Até porque quase sempre falo em causa própria.Mas acredito que já passou da hora de aproveitarmos a nossa prática amorosa e fazer algumas honestas revisões.Assim vamos perceber com legitimidade o que devemos evitar daqui pra frente e o que devemos continuar praticando.Temos algo de muito bom a nosso favor:Só quem muito amou pode acreditar que o amor é sempre bem-vindo, e pode ser muito lindo, pois amar se aprende amando.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui