Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Ensaios - Filosofia...
Maicon Martta
R$ 36,90
(A Vista)



Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)






   > Clube das sextas ( III )



Amarilia Teixeira Couto
      CRôNICAS

Clube das sextas ( III )

Dessa vez Débora não veio. O namorado que conhecera na internet chegou de repente.E, como sempre acontece, quando ela está amando, suas aparições no Happy diminuem sensivelmente.Mas a turma estava animada.É que novas pessoas se integraram ao grupo para somar as histórias e tornar ainda mais animado e rico os nossos encontros semanais.E na ausência de Débora , Nina foi a bola da vez e se tornou o centro das atenções.Ela chegou chegando, como dizem.Num átimo lá estava ela devidamente instalada à mesa se apresentando a todos que ainda não a conheciam de forma alegre   e sedutora. Nina é separada, tem dois filhos adolescentes e, vez por outra se atreve na seara dos relacionamentos amorosos.Assim, logo que se pôs à vontade entre nós, todos ficaram atentos a sua entusiasmada narrativa.Falou rapidamente dos filhos, um de 14 e outro de 20 anos, falou do casamento desfeito há mais ou menos seis anos e, de maneira galhofa, passou a falar de suas aventuras amorosas.Ao contrário de muitas mulheres descasadas, Nina não era uma pessoa amarga, muito pelo contrário.Após a separação, ela ficou numa boa situação financeira, que lhe permitia criar bem os filhos e ainda curtir a vida sem muita preocupação.Falava dos seus casos com leveza e alegria.E antes que alguém dissesse: Nossa, você é doida demais,não tem medo de encontrar um oportunista? Como a adivinhar o que pairava em algumas cabeças ali, ela já dizia: -Menina, eu quero mais é encontrar pessoas oportunistas e atrevidas.Quero mais que alguém se atreva mesmo a me conquistar.Se o cara não tiver grana, eu tenho por nós dois.Qual o problema! Cansei de ser tradicional, careta. Hoje só quero amar e ser amada, quero alguém que tenha uma boa pegada, entende? O resto é resto....
Depois de falar assim, na lata, Nina ainda deu uma olhada mais atenta em todos que compunham a mesa.E com um sorriso meio maroto, de puro contentamento, pôde perceber que tinha impactado.Ah, mas ela gostava disso.
Diante do discurso filosófico da novata do Happy, surgiram alguns buchichos aqui e ali, mas logo cessaram ( até segunda ordem, claro!).Nina se aquietou na cabeceira da mesa e ficou mais próxima de mim. Tratei logo de mudar o rumo da prosa para que os ânimos se acalmassem um pouco.Assim, por um momento, os assuntos se diversificaram e cada um passou a conversar com quem estava mais próximo, sem muito ruído.Até que Nina resolveu ir ao banheiro....

Aí, (Deus toma conta!) fui cravada de perguntas de todo tipo: Onde você conheceu essa maluca? Ela é normal? Nossa, que mulher sem juízo! Ela se dá bem com os filhos? Ela não tem medo de ser enganada por um cafajeste?
Os comentários de toda ordem, de maliciosos a complacentes surgiram ao mesmo tempo, fazendo com que as pessoas de outras mesas se voltassem para a nossa barulhenta turma .
Mas Nina retornou do banheiro e, num passe de mágica, tudo voltou à normalidade.Parecia até uma outra pessoa. Chegou mansa, delicada e disse pausadamente: Meninas, agora que todos já falaram muito de mim, que se deixaram levar pela primeira impressão que deixei , vou me apresentar devidamente, viu?
Todos se entreolharam como a fazer o “mea culpa” e passaram a observar os passos de Nina.De forma atenciosa e gentil ela foi se assentando ao lado de cada pessoa da mesa e quase sussurrando foi se apresentando a cada um.Dedicou uns dez minutinhos a todos os que estavam ali.

Final da história: Nina era psicóloga.Conhecia um pouco do comportamento humano.Chegou fazendo gênero, usando uma das várias máscaras que usamos no dia-a-dia para sobreviver.Depois que se sentiu devidamente julgada pelo grupo, resolveu desfazer a incômoda impressão causada e tentou se mostrar como realmente era: uma pessoa como as outras.

Hoje Nina é querida no grupo.Também não está sempre com a gente.Mas quando aparece é tudo de bom.De vez em quando ela mesma relembra a sua estréia no happy e consegue despertar no grupo boas gargalhadas.Desse episódio a gente pode até concluir que, de perto, bem de perto, ninguém é normal.Você é ?



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui