Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Contos de Curitiba
Airo Zamoner
R$ 36,50
(A Vista)



A Secretaria do Oeste
Evaldo Cassol
R$ 43,20
(A Vista)






   > SIMPLESMENTE MULHER



SEBASTIO CARNEIRO DA SILVA
      CRôNICAS

SIMPLESMENTE MULHER

  SIMPLESMENTE MULHER
 
Bezerra ficou olhando os quatros cantos da piscina a fim de ver em qual deles a mulher ia surgir. Dificilmente Bezerra errava o local onde ela aparecia. Tinha o faro muito bom pra essas coisas. Dessa vez Bezerra errou: Minervina saiu exatamente no ponto em que mergulhou. Peguei você, meu caro Bezerra, disse a Minervina, sorrindo. Sorriu, dirigiu-se à mesinha do pé de palmeira, ligou um sonsinho de rádio, beijou o buquê que o marido aninhou-lhe nos seios logo de manhãzinha, pegou uma maçã e, distraidamente, como se longe dali, começou a mordê-la.
Bezerra deu uma coçadinha básica na cabeça, estirou-lhe carinhosamente a língua e ficou a admirá-la. Ainda quis ir lá, mas preferiu deixá-la com os pensamentos. Se quisesse algum papo, ela teria vindo a ele.
O ser humano é muito esquisito, pensava Minervina, referindo-se ao comportamento dela naquele dia, 8 de março, Dia Internacional da Mulher e data de seu aniversário. Todo 8 de março, ela e o marido seguiam o ritual de dormirem até tarde, namorarem como se fosse o último namoro, deixarem enlouquecidas as libidos, desafiarem certos dogmas físicos. Depois, isolavam-se na piscina, onde brincavam de tica, ficavam a beliscar petiscos, deleitavam-se com músicas clássicas, dançavam. Curtiam-se, enfim.
Mas que é uma esquisitice boa, ah, isso é, sorriu a Minervina. Sorriu e chorou com a mensagem de aniversário pregada nas flores:
Pessoas nobres recebem, em dias de aniversário, auras cósmicas que as iluminam. Simultaneamente, porém, repassam essa irradiação divina aos amigos que delas se aconchegam.
Porque aconchegado já sou, sinto a cada segundo o resplendor dessa dádiva.
Parabéns, Maria. Pelo aniversário e pelo seu dia que é todo seu.
Do todo seu e somente seu.
Minervina queria ter palavras para falar de seu amor pelo marido. Queria escrevê-las, pois a palavra dita pode ser esquecida, embora não volte. Mas inexistiam palavras que fizessem linha direta com o coração. Amo-o a mais do que tudo na vida diziam apenas o óbvio. E se de alguma coisa Minervina fugia era da obviedade. Não somente ela, mas também o marido. Dez anos juntos, e segundo os exemplos que presenciava nos casais amigos, o óbvio era a ardência amorosa ir se amornando. Neles, não: os 45 anos de cada um e os 18 de casados constituíam o zero da prova dos noves da felicidade. Felicidade que provinha da mouquidão como a Minervina escutava algumas amigas: “Os homens são todos iguais. São águias, cachorros e galinhas, Minervina”, diziam elas. Minervina ria, não alimentava o papo e punha água fria na fervura da generalização.
“Do seu, somente seu” fez a Minervina gargalhar, alimentar-se da maçã, espreguiçar-se e mergulhar na morna água da piscina.
Bezerra viu apenas o vulto caminhando para a piscina. Tremenda gazela, falou pra si, depois de outra coçada na cabeça. Ah se eu soubesse escrever. Transformar-me-ia em águia da comunicação, buscaria palavras no fundo do coração e diria a Minervina, com letras maiúsculas, que a amava, que a venerava, que a idolatrava. Que nunca faria cachorrada com ela, que galinhagem não constava de meu dicionário, que seria capaz de por ela morrer.
Minervina fazia mais do que alimentar o Bezerra com palavras afetuosas. O que deixava o Bezerra extremamente alegre eram os angelicais sorrisos dos olhos dela, a meiguice daquele som labial, o zelo como era tratado. Nada lhe faltava. Parecia que a Minervina adivinhava os mais secretos pensamentos dele. A maciez das mãos em seu corpo, então! Tinha por ela uma fidelidade canina, via-lhe a verdadeira dona de seu corpo. Ainda que, não poderia mentir, ficasse um tanto chateado com o sentimento de exclusividade amorosa que a Minervina pensava ter sobre ele.
Ela confundia fidelidade com exclusividade. Ele era amigo, fiel e exclusivo no instante em que estava dando atenção à pessoa, mas os mesmos sentimentos passavam para o outro indivíduo tão logo a atenção mudasse de foco. E isso ela não entendia, mesmo que assim agisse.
Agora, sim, ela saíra no lugar imaginado pelo Bezerra: precisamente no local onde ele estava.
Minervina sentou-se ao lado do Bezerra, ficou alisando o focinho dele, abriu a boca pensando em falar alguma coisa, mas um barulho fez os dois desviarem a atenção para a direção do som.
“Meu gatão”, disse a Minervina, pondo o Felipe, o gato da casa, o culpado pelo barulho, sobre a toalha que lhe cobria as coxas.
Bezerra assistiu à cena, mostrou-se impassível, mas ficou rosnando de ciúme e reavaliando seu conceito de exclusividade. Gostava do Felipe, às vezes até brincavam juntos, mas a histórica rixa entre gato e cachorro se mantinha.
Foi assim que o Euclides, o marido da Minervina, encontrou os três quando chegou do mercadinho:
“Mais uma rosa pra você, amor, um biscoitinho de peixe para o Felipe e uma ração novinha pro meu caro Bezerra”.
Servidos - de ração e de amor - os quatro passaram o resto do dia a confabular. Cada um a seu modo, evidentemente.
 
Até mais ver,
Tião Carneiro
 
Em tempo: Minervina nasceu em 8 de março de 1916 e faleceu em 21 de novembro de 2009. Euclides Carneiro, luciduzinho da silva, completa 97 anos agora em agosto. Tião Carneiro, esse...
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui