Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Geométricas-02-179
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



A Garota do Posto
Francisco Moreira de...
R$ 25,90
(A Vista)






   > O Vendedor de Picolés ( e o Quinto Setor )



José Braz Branco de Araújo
      ARTIGOS

O Vendedor de Picolés ( e o Quinto Setor )


Parece antagônico comparar, mas é extremamente compreensível a semelhança entre o Marketing na Internet e o Vendedor de Picolés. Em uma analogia imaginária, são como a letra V( de Vitória ) que parecem dois pontos descendo para uma única convergência, um sentido só, um objetivo mútuo, um propósito recíproco. Veja a similitude.
Todo dia ele passava em minha rua, sob um sol escaldante de quarenta graus, emitido um sonoro “Picolé, picolé. Olha o picolé!”. Seu Zé do Picolé era muito conhecido no bairro; note que eu disse no bairro. E assim ele seguia vendendo seu produto, ora muito, ora apenas algumas unidades, mas todos o reconheciam e o identificavam pelo seu “grito de guerra”.
Cansado de ver aquela labuta ingrata para um homem tão trabalhador e honesto, chamei-o para uma palavrinha. Ele, meio indeciso, chegou-se dizendo que ainda precisava vender seus picolés. Eu lhe afirmei que nossa conversa seria um investimento para o seu negócio e o ajudaria nessa empreita. Ele concordou; eu muito mais, já que para mim seria um laboratório de grande valia para meu futuro em e-commerce e e-business. Não precisei explicar isso ao seu Zé do Picolé.
Assim, eu sabia que o negócio não perduraria. Seria castrado no início do seu próprio sonho. Precisava de ações e ferramentas novas, de tecnologias aplicáveis e de retorno garantido, de um norte.
Alguns minutos dialogando, descobri em seu Zé do Picolé farta receptividade e perspicácia, com muita propensão ao aprendizado de coisas novas, sem medo ou suspeições.
Convictos, mandamos confeccionar palitos com inscrições de promoção ( “Você ganhou um grátis” e “Traga seu amigo e leve um de graça” ) de modo que ao terminar o picolé as mensagens ficassem bem visíveis. Avisamos a todos que compravam o produto e, por fim, aumentamos em fração de centavos o preço para que ninguém sentisse a diferença, e sim, deliberadamente participassem consumindo com um sentimento de ganhos e vantagens.
Não preciso dizer que, hoje, seu Zé do Picolé possui vários  carrinhos de sorvetes onde traz também os picolés que fizeram sua fama se expandir para todos os bairros da redondeza.
Guardadas as devidas proporções e diferenças entre o negócio físico do Se Zé do Picolé e o Marketing na Internet, é mister que se trace essa símile para entender a parecença:
O Se Zé do Picolé, para nós webmarketers, seria o site;
O picolé do seu Zé, para nós seria o produto;
Sua área de venda, o bairro, para nós seria o provedor;
Seu grito de guerra ( Picolé, picolé, olha o picolé! ), para nós seria o Marketing.
Então as transformações vieram com nossas ferramentas em total integração ao negócio,
Fizemos Marketing de consumo quando dissemos “Você ganhou um grátis”.                     Fizemos Marketing de atração quando dissemos “Traga seu amigo e leve um de graça”. Fizemos Marketing de vendas quando aumentamos o preço, sem exagero, dando os brindes. Fizemos uso de um novo provedor com a abrangência do negócio para outros bairros.
Enfim, usamos algumas das mais importantes ferramentas disponíveis na internet para incrementar um negócio físico de sucesso. Pense, mas pense muito nisso: coincidência ou realidade?
Se você focar suas energias e perseverança, aliados a sua vontade de vencer, em assuntos pertinentes ao seu negócio na internet, fatalmente terá muito sucesso nesse ou em qualquer empreendimento.
Agora, caso você não tenha afinidades com computadores, não veja com bons olhos o advento da internet, odeie trabalhar em casa e, por fim, não conheça e nem aceite que O Quinto Setor () veio para ficar e transformar tudo o que se conhece, hoje, sobre modelos arcaicos e ultrapassados de trabalho, seja para ganhar dinheiro ou, apenas para geração de uma renda extra, então não vá pescar...vá vender picolés!
                                                                  


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui