Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
O testamento vital no...
Isabela Maria Marques...
R$ 30,80
(A Vista)



As muletas do...
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)






   > Jesus de Nazaré



Jorge Cortás Sader Filho
      CRôNICAS

Jesus de Nazaré

                                                 Jesus de Nazaré
 
            Uma figura que confunde a humanidade, Jesus de Nazaré.
            Não pretendo explicar nada. Mas muitas ideias, minhas e adquiridas, tenho sim.
            Jesus existiu realmente.  Não se pode duvidar da sua existência.  Nos Anais, 15, 4. o historiador Tácito fala que em Israel “foi crucificado um certo Jesus, oriundo da cidade de Nazaré, quando era governador Pôncio Pilatos.”  Ou seja, não podemos negar a sua existência.  Além de estar registrada, a causa da crucificação teria sido política.  Era contra os judeus ortodoxos e os romanos dominadores, que adaptaram os antigos deuses gregos à religião de Roma imperialista.
            Afinal, quem teria sido este homem?  Ninguém sabe dizer com segurança, mas muitos o consideram o maior dos Profetas, o único que sabia ser Filho de Deus.  Por sua vez, aqui o problema aumenta.  Não existe Deus fora de nós, dos nossos corações e mentes.  Aquele que encontrou Deus dentro de si mesmo faz parte da comunidade divina.  Se este fato está de lado, ou seja, você não conhece o Deus que no seu ser habita, não creia.  Ele não existe, na verdade.
            Jesus entendeu bem toda a Vida, e pelo que narram os Evangelhos, deu seguidas aulas de bondade, fraternidade e caridade.  Nenhum profeta percebeu isto tão claramente.  Pregou sua doutrina e nada escreveu.  Esta doutrina foi considerada tão perigosa pelo judaísmo que pediram sua cabeça.  Foi dada.
            Estamos na época que se comemora o seu nascimento.  Pelo calendário gregoriano, vinte e cinco de dezembro.  O calendário Juliano, que não tem data, difere poucos dias.
            Comemoremos a vinda do Profeta Maior.  Com respeito e união.  Caso você não o tenha dentro do coração, junto com Deus, esqueça.  Coma e beba à vontade.
            Feliz Natal.  Bom Ano Novo.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui