Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (130)  

 
 
Arquitetura-01-263
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Contos de Curitiba
Airo Zamoner
R$ 36,50
(A Vista)






   > Erros



Andre Luiz Augusto da Silva
      PENSAMENTOS

Erros


Erros
 
                Se a vida consiste em uma grande integração, ou seja, em uma hospedagem humanitária e socialista vestida de convites partidários sobre vários olhos arregalados, então porque é preciso ter um sorriso galanteador e cínico para com o entusiasmo?
           Bem vindo à grande cultura boêmia, revelado e retrocedida por membros de nossas raízes. Respondi um dia que gostaria de ver um romancista, além de tudo apertando os passos, apavorando os mais íntimos personagens desta incrível peça teatral “a vida”, vestidos de homem-mulher, debruçados em quarteirões de vias de encontro, parando verozmente em uma grande curiosidade.
            Bem vindo à chegada do mais puro instante memorial de nossas vidas. Vá, aproveite e corra solta sem se preocupar em se hospedar em mais uma dessas reuniões burocráticas que a comitiva lhe oferece.
                   Galanteador exagerado, mesmo prestando como escrivão do crime. Companheiro imaginário e pesado pelo elegantíssimo dom da vida.
        Mais uma vez eles disseram que por lá os personagens se entrosariam no mais comum invariavelmente de ser negro, romântico ou socialista. Páginas abertas de um livro sem destino, época incerta e certa de sombrias e sonoras gargalhadas. Carros programados para hora homem-mulher. Mundo desgovernado do sim e do não. Pedidos e gritos indefinidos também incontestáveis ao anoitecer.
                  Muitas dicas errôneas sempre tomadas como a última saideira e por fim falas pesadas no consciente colonizador e sobre uma caipirinha amarga entre nossos olhos. Desespero a viver vestido pela angústia e pela boemia televisiva á procurar do “Ver o que?”. Satisfação ao companheirismo de hora em seu ombro desmoralizador, ineficaz e impaciente sorriso amiga apavorador e incerto.
                 Certamente, gostaria de alguma vestir o impróprio ao improvável, sendo estabelecido assim como mais um dia atrás de minha vida.
 
                                                          André Luiz  22/10/20011



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui