Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)



Passagens-03-114
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > TÁ RUÇO



Ana Flores
      CRôNICAS

TÁ RUÇO

TÁ RUÇO


Já vi muita campanha política pela TV, assisti a debates bons e chatos, fiz tudo o que podia para entrar naquela de “conhecer melhor para escolher bem”, privilegiei partidos em detrimento de indivíduos e... pouquíssimas vezes fiquei satisfeita com o resultado. Antes de jogar a toalha e desistir de vez desse privilégio democrático por pura falta de opção, vou pensar alto sobre o que não quero na minha bagagem de eleitora saturada.

Candidato que acha que inova quando troca a enxurrada de promessas pela frase “Isso não é promessa, é compromisso de campanha!”, quando apenas está trocando seis por meia dúzia e caindo em outro chavão com jeito de sério. Só jeito. A tradição de nossa triste vida política nos tem ensinado que palavra de honra é artigo (quase) inexistente no ramo.

O que adora ouvir a própria voz bradando a quina mágica - Educação, Saúde, Emprego, Moradia e Segurança (em qualquer ordem) – mesmo que o cargo para o qual é candidato não tenha competência para resolver problemas em todas essas áreas.

O que usa seu credo religioso para atrair votos.

O que acha que a causa ambiental é coisa de bicho-grilo dos anos 60 e um entrave para o progresso.

O partidário do troca-troca de legendas, sempre à venda pela melhor oferta.

O que abusa da imunidade parlamentar para sair ileso de falcatruas e só escolheu essa profissão porque conhece a facilidade e a impunidade implícitas.

O que anda armado porque não sabe trocar idéias na base do ouvir, pensar e falar.

O que pula para cima do muro em votações polêmicas, como aumento do próprio salário e benefícios indecentes, corte ou não de jetons, entre outras, abstendo-se de votar para depois poder se eximir da responsabilidade do resultado. Principalmente quando sabe de antemão que o projeto em questão vai passar.

O que entra em mutretas propostas por colegas, alegando que “Se todo o mundo faz, por que eu não posso também? Que diferença faz?”

Aquele que não sabe o que é fazer a diferença.

O que já morreu e não sabe.

É, pelo visto não vai sobrar (quase) ninguém.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui