Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)



A Princesinha Adelaide...
Jayara Ribeiro Rocha
R$ 21,80
(A Vista)






   > O início do nada



Andre Luiz Augusto da Silva
      PENSAMENTOS

O início do nada


O início do Nada
 
             Quantas vezes estivemos à beira de enlouquecer. Estamos todos em cima do muro prestes a cair.  O infinito entre nossos pensamentos e nossas almas, já estão a um passo do cinismo.
              Quantas vezes estivemos loucos. Cremos em um ícone, cremos em nossas vidas. Medo, de viver, obstáculos sempre a deriva para tentar impedir um alvo, ou um acaso de acontecer.
              Quantas vezes estivemos enriquecidos.  Somos ingratos a Deus e a nós mesmos. Não percebemos que já temos tudo na vida e ainda por cima, sempre queremos mais um pouco.
              Quantas vezes murados, fingindo a vezes sermos o que não somos. Sonhamos com um tudo ou até mesmo com o nada, mas queremos crescer em pensamentos e sentimentos sempre positivos.
              Quantas vezes estivemos em um nada. Não, conseguimos sempre buscar um todo, entretanto,  sempre conseguimos ter algo que preencha nosso vazio.
              Quantas vezes estivemos com medo. Medo, inexplicável de viver compreendido sobre outro medo. Fugir de nossa realidade e cair em mundo aonde somente nós, sejamos heróis.
              Quantas vezes estivemos pensando. Tempo corrido para o mundo, idéias e sugestões deixadas sempre para um outro momento.
               Estamos sempre apressados para o nada, para um tempo sem volta.
               Desperdiçamos nossas vidas. Sempre com angústias, desavenças e acabamos sempre murados com nossa auto-estima. Colocamos a disposição de nossos mundos, às vezes alguma coisa que nunca existiu ou se quer existirá.
               Não queremos ser esquecidos por ninguém e nem por nós mesmos. Temos quer ser fiéis à nossas cabeças.
Tempo em um nada. Um nada, em um tempo.
               Inexplicavelmente um absurdo a nossa raça e ao nosso mundo.
 
 
                                                                  André Luiz   17/10/2011
              


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui