Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Passagens-01-007
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Geométricas-02-179
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > ESPERANÇA DE UMA VIDA ABUNDANTE



José Ademilson Oliveira
      ARTIGOS

ESPERANÇA DE UMA VIDA ABUNDANTE

ESPERANÇA DE UMA VIDA ABUNDANTE

José Ademilson Oliveira

Bacharel em Teologia
ademilcipo@yahoo.com

Na sexta-feira do dia 11/07/08 assistindo a uma reportagem da TV Record o meu coração chorou profundamente ao ponto de me levar a orar pela protagonista daquela matéria.
Berenice é mais uma das muitas jovens senhoras das grandes metrópoles que são viciadas no crak, uma droga diabólica que corrói o cérebro humano. Mãe de seis filhos, dos quais o mais novo, uma menina de apenas um mês de vida, foi empenhada por ela a um traficante para garantir o pagamento de uma dívida de cinco reais. Outra senhora da mesma comunidade, se compadece situação arrisca a própria vida resgatando a criança das mãos do traficante por vinte reais e entrega ao Conselho Tutelar daquele município.
A TV Record mostra na tela a comunidade de Berenice: Não há calçamento, tão pouco saneamento básico, escola, creche, posto de saúde, nem o mínimo de dignidade humana! Absolutamente nada!
No crak Berenice encontra um pouco de contentamento. Talvez, durante os seus momentos de delírio ela consiga esquecer as suas mazelas e desgraças. No crak ela vive a ilusão de ser outra pessoa ou estar em outro mundo. No crak ela foge da sua realidade e se alegra num contexto irreal e ilusório, num mundo penetrável, num labirinto que até ela mesma desconhece, mas que a satisfaz temporariamente. Certamente, no seu delírio passageiro Berenice nem se importe com quem lhe roubam os direitos e a sua dignidade.
Em sua alucinada viagem, mesmo se tentasse, talvez nem conseguisse imaginar quem estaria por trás da sua derrocada desgraça. Das mentes perversas diabólicas alimentadas por uma sede incalculável de acumulação de bens, e movidas pelo pecado da usura que só serve para matar, roubar e destruir.
Quando analiso situações semelhantes, estremeço ao ponto de doerem as minhas carnes. Não consigo entender a atual realidade. Percebo, portanto, que chegamos ao ápice da derrocada humana. Nessa escala de degradação moral já não existe mais nenhum degrau a ser descido. Chegamos ao ponto derradeiro, ao último.
Durante a caminhada de Jesus, ele disse aos seus seguidores que, o ladrão veio matar, roubar e destruir, mas que ele (Jesus) veio dar vida com abundância (Jo. 10:10). O ladrão mina as forças e as esperanças sugando todas as expectativas de melhora. É bem verdade que as possibilidades de pessoas como Berenice acreditarem numa vida de abundância é quase impossível. As palavras de Jesus sempre foram traduzidas na sua prática cotidiana quando ele acolhia, mesmo infringindo a Lei, o Estado e a Religião, os marginalizados oferecendo um lugar de convivência humana. Ele preferiu andar com os imorais, os pagãos e as prostitutas, com os leprosos, com os ladrões, com as mulheres e as criancinhas. Por causa disso, ele correu vários riscos ao ponto de morrer como os malditos (na cruz). Em momento algum, ele fez conchavos com as autoridades para se manter no poder, o que o manteve em evidência foi a sua extrema bondade misericórdia. _Não acumulem para vocês tesouros na terra onde a traça e a ferrugem destroem, e onde ladrões arrombam e furtam, mas acumulem nos céus onde a traça e a ferrugem não destroem, pois onde estiver o seu tesouro, ali está o seu coração (Mt. 6:19-21). _ esse era o seu constante discurso.
Ao dialogar com um jovem rico e interessado no reino de Deus, Jesus manda que ele escolha entre as riquezas celestiais e materiais. O texto diz que “ele se entristeceu e se afastou por ter muitas riquezas. (Mt. 19:22).” Evidente que Jesus não queria que ele fosse pobre, mas que partilhasse suas riquezas com os necessitados. _ Pra que tantos bens?  Apenas para os próprios deleites? O sentido da vida não é partilha? Pra que tantas riquezas se não posso desfrutar com os mais pobres? Se a riqueza for realmente de Deus, certamente não se acabará pelo fato de ser partilhada, afinal, ela não é de Deus? O verdadeiro tesouro deve servir para abrir as fronteiras e derrubar as muralhas intencionando a salvação dos meus irmãos, isso sim é reino de Deus!
Na caminha de Jesus ele também combatia a fome, a doença, a tristeza, a ignorância, o abandono, a solidão, a discriminação, as leis opressoras, a injustiça, o medo, o sofrimento, os demônios, pecado e a morte.
Outra vez voltemos à Berenice, suas frustrações e medos, suas dores e decepções com a vida. O seu contexto não lhe oferecia o mínimo de dignidade, isso é verdade. Homens corruptos roubaram-lhes todas as esperanças, seus sonhos foram destroçados, ou talvez ela nem tivesse ainda alimentado algum sonho. Mas Jesus convida a todos oferecendo uma vida melhor.
Mesmo morando em condições subumanas, estando na graça salvadora de Jesus, é possível viver feliz e ter esperanças de dias melhores sem necessidade de fugir para o mundo irreal das drogas. A vida abundante da qual Jesus se refere nos ensina a viver a simplicidade e harmonia com todos, sem nos abarrotarmos de bens de consumo a fim de compensar o vazio de Deus. A vida abundante que Jesus nos propõe é viver plenamente e com sabedoria cada dia no amor de Deus, agradecendo cada minuto como uma dádiva do Criador em comunhão com o nosso próximo, não importando quem seja ele, sua cor, sexo, ou etnia.
Onde estiver, é dever de cada cristão ter a responsabilidade de manifestar o “Emanuel” (Deus conosco). Porém, como manifestar o Deus conosco, se nego os gestos solidários de Jesus estando de mãos dadas com as injustiças sociais e com o descaso, o preconceito, a fome e a miséria! Como manifestar o Emanuel, se aceito pacificamente as leis injustas que massacram e oprimem o meu irmão! Assim como Jesus, podemos transformar curar e ressuscitar vidas que estão no caus, tanto espiritual quanto material. É certo que alguns se dão por escusados: _Não tenho tempo, vou experimentar as minhas juntas de boi; estou recém casado, ou vou ver a minha nova propriedade...
O Filho do Homem veio não para ser servido, mas para servir até com a própria vida! _ Quantas Berenices você tem visto morrer à míngua? Imitemos, pois, Jesus e estaremos promovendo uma vida abundante a todos.
 
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui