Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Estátuas-03-163
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)






   > Carta para Paulino



Antonio Cavalcante da Costa Neto
      CRôNICAS

Carta para Paulino


 
 
          Carta para Paulino *
 
      No tempo em que se escreviam cartas, elas serviam tanto para dar e receber notícias, quanto para ensinar e persuadir. As cartas eram tão importantes que engendraram um tipo específico de literatura, o gênero epistolar, se bem que para alguns uma coisa seja carta, outra, epístola. Esta, voltada para o grande público, seria arte literária, enquanto aquela, correspondência entre um remetente e um destinatário determinados. Não obstante, existem cartas que interessam a muito mais pessoas que o seu destinatário original. As cartas de Paulo não são menos dirigidas a qualquer um de nós do que aos Romanos, Gálatas e Efésios.
    Sêneca, a exemplo de Paulo, foi um mestre na epistolografia. Contemporâneos um do outro e contemporâneos de Jesus, Sêneca e Paulo aparecem como autores de catorze cartas trocadas entre si: oito de Sêneca para Paulo e seis de Paulo para Sêneca. Tais cartas, porém, são tidas como apócrifas. Teriam sido escritas com o propósito de valorização do cristianismo no século primeiro, pois naquela época Sêneca já era uma celebridade. Mesmo assim, não deixam de apontar para uma influência mútua entre a fé cristã e o estoicismo, filosofia encarnada por Sêneca e exposta em seus escritos, entre os quais está a carta dirigida a Paulino, sobre a brevidade da vida.
       O Paulino da carta é uma incógnita. Sabe-se apenas que era encarregado do abastecimento da cidade, e cogita-se que poderia se tratar de Pompeius Paulinus, sogro de Sêneca. Já o conteúdo do escrito é relevante não só para Paulino, mas para o auditório universal. Sobre a carta, Diderot chegou a declarar: “Este tratado é lindo: recomendo sua leitura a todos os homens.” Na verdade, cada uma de suas páginas está repleta de lições de vida.
           É comum as pessoas lastimarem a brevidade da vida, queixa que não é de hoje. Hipócrates, em seus aforismos, resumia: a vida é curta, a arte é longa. Para Sêneca, ao contrário, a vida “se bem empregada, é suficientemente longa e nos foi dada com muita generosidade para a realização de importantes tarefas”  (2006, p. 26).  Mas os que dissipam o tempo em luxo e indiferença e não realizam nada de valor, estes sim, desperdiçam a existência. Quantos homens e mulheres agem como se fossem viver para sempre, e tantos outros arranjam ocupações demais, não se dando tempo para aprender a viver. Grande parte de seus anos é apenas tempo e não vida. Por isso, quando chegam ao final da jornada, “morrem amedrontados, como se não estivessem deixando a vida, mas ela estivesse sendo arrancada deles” (SÊNECA: 2006, p. 52). Para essas pessoas valem as palavras de Sêneca a Paulino: “deve-se aprender a viver por toda a vida e, por mais que te admires, durante toda a vida se deve aprender a morrer” (Idem, P. 41).
          Ocorre que aprender a viver e a morrer parece não ser tão fácil para grande parte dos seres humanos, o que para alguns iluminados é motivo de perplexidade. Conta-se que perguntaram ao Dalai Lama o que mais o surpreendia na humanidade, ao que ele respondeu:
 
     Os homens... porque perdem a saúde para juntar  dinheiro, depois perdem dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não ver nem o presente nem o futuro. E vivem como se nunca fossem morrer... e morrem como se nunca tivessem vivido.
 
       Nos dias de hoje, em que não se tem tempo para escrever cartas, e talvez por isso os Correios tiveram que virar bancos; dias em que, diferente do que se passa na música consagrada por Isaurinha Garcia, quase ninguém espera o carteiro gritar seu nome com uma carta na mão, pois o que ele traz é papel de conta para pagar, e não um sobrescrito contendo uma mensagem; nestes dias, mais do que nunca, é tempo de refletir sobre a carta de Sêneca, se não quisermos continuar lastimando a brevidade da vida. Para todos nós ainda valem as palavras dirigidas a Paulino: “Muito breve e agitada é a vida daqueles que esquecem o passado, negligenciam o presente e temem o futuro. Quando chegam ao fim, os coitados entendem, muito tarde, que estivaram ocupados fazendo nada” (SÊNECA: 2006, p. 70).

* Texto extraído do livro O sentido da vida (Publit)
Blog: mitosemetáforas.blogspot.com
                                                                                 
 
 
 
 
 
 

 


Frase transcrita na capa do livro Sobre a brevidade da vida, de Sêneca, constante das referências bibliográficas.
Cf. site o pensador: , acesso dem 29.03.2010.
Música “mensagem” (1946), de autoria dos compositores Aldo Cabral e Cícero Nunes.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui