Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (942)  
  Crônicas (726)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2532)  
  Resenhas (131)  

 
 
O SEGREDO DA PEDRA AZUL...
JORGE ANDERSON SILVA
R$ 56,10
(A Vista)



Veículos-02-201
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > NAPOLEÃO COM A CALÇA NA MÃO



LEOMAR BARALDI
      CRôNICAS

NAPOLEÃO COM A CALÇA NA MÃO

A pequena Camila outro dia, fazendo a tarefa da escola, me perguntou por que Napoleão perdeu a guerra.
-Foi por causa de queda da pastilha. –respondi.
-Tio, não era Bastilha, não?
-Não, pequena Camila, era pastilha mesmo. Porque Napoleão sofria de úlcera e sempre carregava consigo algumas pastilhas para atenuar a dor. Mas acontece que foi tomar a sua pastilha, era a última. Porém a pastilha caiu no meio da grama. Ele estava montado em seu cavalo branco. Desesperado, ele pulou do cavalo para apanhar a pastilha. Então curvou-se para procura-la em meio a vegetação rasteira. Nisso ocorreu o sinistro. Sua calça, rasgou. Crassshh! Bem no meio da costura das pernas, até a altura da cintura, pela bunda. Sua ceroula de patinhas de onça ficou exposta.
E agora? Muito preocupado com a sua reputação, desesperado, montou em seu cavalo e esporeou. Tinha de procurar um alfaiate. A vila mais próxima ficava quase meia hora de viagem. Foi galopando para lá.
Chegando à vila, informou-se onde poderia encontrar um alfaiate. Indicaram-lhe um, ficava nas proximidades da igreja. Localizou a casa do profissional.
Chamou e um rapazinho veio atende-lo.
-Aqui tem serviço de alfaiate?
-Sim. Meu pai, senhor Guerra. Mas ele não está.
-Como não está?! Eu preciso dele urgente. –Napoleão estava visivelmente estarrecido com a notícia da ausência do alfaiate.
-Se o senhor chega um pouco mais cedo não tinha perdido o Guerra. Ele teve de fazer uma viagem de última hora.
-Que droga! Não tem outro alfaiate na cidade?
O rapazinho acenou que não com a cabeça.
Sem outra alternativa voltou para o campo de batalha. Ele mesmo então costuraria a calça. Escondeu-se atrás de um arbusto, tirou a calça e só de ceroula começou a coser a calça. Quando soldados inimigos o cercaram e o pegaram. Foi daí que nasceu a expressão: “pego com a calça na mão.”


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui