Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
KALLS - O ENCONTRO
Diego Lincoln Campos
R$ 45,60
(A Vista)



De escravos a livres
Itamar paulino de...
R$ 27,20
(A Vista)






   > Lembranças



Eudes Miguel da Silva
      CRôNICAS

Lembranças

Lembranças Todos nós temos lembranças de coisas que marcaram nossas vidas, sejam elas boas ou ruins. As ruins por mais que tentamos esquecê-las, parecem ficar cada vez mais vivas em nossas mentes. Há momentos que nos trazem boas recordações que nos ajudam a encarar a vida de maneira mais diferente e divertida. Como já dizia o sábio Salomão em Provérbios capítulo três: “para tudo há tempo debaixo do sol”, tempo para sorrir, para chorar, cantar, amar. Porém, muitas vezes queremos apenas o tempo de bonança o tempo de escassez e adversidade ninguém deseja. A vida não é feita apenas de bons momentos, há também aqueles que nos fazem chorar, o que quase ninguém percebe é que podemos aprender com os maus momentos a nos programarmos para não termos que passá-los outra vez. . A vida é feita de altos e baixos de acertos e de tentativas de acertos (erros), nem por isso ela perde a graça. Os mais experientes dizem que quando alguém está passando por momentos difíceis por longo tempo, logo a coisa irá melhorar. Esperança é a palavra de ordem para que se obtenha a paz mental. Esta é a história de Miguelito um menino que conheço há mais de três décadas. Suas aventuras e desventuras estão registradas aqui a fim de que possam confortar ou servir de exemplo a outros que talvez tenham passado ou estejam passando por situações semelhantes. Não vá pensar que todo tempo é só felicidade, há sofrimentos, sonhos, pesadelos e também hora de acordar. Aos vinte e um dias do mês de novembro de 1971 em Grajaú Maranhão, num belo domingo pela madrugada, nasceu Miguelito um menino um tanto diferente dos demais. Era muito esperto e inteligente, porém de sete meses, quando tinha lá seus dois anos de idade seus avós que por sinal eram muito supersticiosos pensavam que ele não fosse sobreviver pelo fato ser diferente de todos. Em tenra idade já se mostrava muito a frente de seu tempo era muito conversador aprendera a falar antes do que se esperava, perguntava sobre tudo e sempre queria saber mais. Nunca aceitava uma resposta vazia desconfiava das pessoas o tempo todo era perspicaz e às vezes contumaz. No ano de 1979 Miguelito e sua família tiveram que se mudar para o Estado do Pará mais especificamente para Itaituba uma cidade situada às margens do rio tapajós creio que em busca de vida melhor, sonho de todo mundo inclusive de quem vive no sertão nordestino. Os reais motivos da migração nunca foram revelados a Miguelito apesar de instigador e indagador. Para ele deixar sua terra não foi um bom negócio, durante todo o trajeto não ousava a se alimentar, sentia-se sem fome perdera todo o apetite que para ele ficara lá na sua “terrinha” seus pais insistiam para que comesse alguma, mas, tudo em vão Miguelito não aceitava comer nada. Ao chegar a Itaituba sua vida mudou radicalmente as pessoas de lá tinham costumes bem diferentes, contudo não foi difícil adaptar-se ao novo clima do estado, porém sentia profunda saudade de sua avó Alzira mãezinha como ele a chamava. Não conhecia ninguém e como não era de muitas amizades, passava o tempo todo sozinho. Seu pai viajava o tempo todo para os garimpos de forma que passava mais tempo em companhia de sua mãe, seu pai desde que viera de sua terra natal, fora vista por Miguelito umas duas ou três vezes no máximo. À noitinha quando sua mãe saia um pouco para conversar com as novas vizinhas, Miguelito ficava inconformado porque não queria ficar sem a sua companhia. A mãe dele nunca entendeu porque Miguelito se comportava daquela maneira. Apenas ele e Deus sabiam dos ais que vinham dentro do seu ser. Naquela época parece que as mães eram diferentes. Parece ainda que carinhos e afetos fossem como que desconhecidos Miguelito queria sentir-se amado e protegido por sua mãe já que seu pai pouco parava em casa. Na maioria das vezes sua mãe mandava que saísse para não atrapalhar a conversa dos adultos. Nesses tempos criança como diziam todos, só tinha vez quando a luz se apagasse. Assim nosso amiguinho se retirava triste porque se achava indesejável e insignificante.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui