Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Veículos-03-202
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



OBJEÇÃO DE...
ALEXANDRE STURION DE...
R$ 36,10
(A Vista)






   > CADÊ A ÁGUA QUE ESTAVA AQUI?



Ana Flores
      CRôNICAS

CADÊ A ÁGUA QUE ESTAVA AQUI?

Se o gato bebeu, sorte a dele de ainda encontrar água potável no planeta. Porque segundo previsão da ONU, se não forem adotadas providências urgentes para a contenção do consumo da água na Terra, o resultado é que, no máximo em 25 anos, 4 bilhões de pessoas não terão acesso a uma quantidade suficiente para suprir necessidades básicas. E, para pensar globalmente mas agir localmente, confira a cena abaixo.

De manhãzinha, cidade acordando, movimento apenas começando nos bairros. E lá estão ela, a dona da casa e ele, o faxineiro de um condomínio, cada um no seu pedaço, preparados para a limpeza da calçada, armados com uma... mangueira! E tome água jorrando, concentrada em cada uma das folhinhas secas que tiveram o infortúnio de cair ali e teimam em não desgrudar do chão. Empurradas pela força da água abundante, cada uma à sua vez vão as folhinhas escorregando devagarzinho até chegarem ao meio-fio e mergulharem na sarjeta. Mas, oh, céus! Lá está outra, pequenininha, esquecida perto do portão. Mangueira nela, água ainda jorrando, até a dissidente terminar como as companheiras.

Calcula-se que, só nessa atividade, a dona da casa e o faxineiro gastaram – cada um na sua calçada – o volume correspondente a uma caixa d´água de porte médio. Multiplique-se pelo número cada vez maior de usuários que substituem vassoura & balde pela mangueira, e já se pode ter uma idéia do tamanho do desperdício que se pratica diariamente numa só rua.

Reciclagem da água de esgoto doméstico para uso industrial; água pluvial regularmente recolhida antes de escorrer pelas galerias, para ser utilizada em lavagem de carros, calçadas, playgrounds e jardins, deixando a água potável apenas para consumo doméstico racionado; consertar vazamentos e preservar sempre são algumas sugestões que podem suavizar – inverter já não é mais possível – o processo da escassez de água. Debaixo da ducha, ligada ininterruptamente até o longo banho terminar, posso achar que o meu banho não vai contribuir para a seca do planeta. Engano meu. Só como ilustração, segundo a Cedae, um fiozinho de água de 1mm de diâmetro, escorrendo sem parar de uma torneira mal fechada, gera um gasto de 8 mil litros por dia, o correspondente ao gasto de uma escola de 240 alunos. É só fazermos as contas e as adaptações ao nosso consumo diário.

Em breve, quando a água for disputada como pepita de ouro em nosso planeta, não adianta fugir para Miami: serão igualmente atingidos pela seca os que andam descalços e os que têm 20 pares de tênis importados. Não vai sobrar para ninguém. Nem para o gato lá do início da história.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui