Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (942)  
  Crônicas (726)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2532)  
  Resenhas (131)  

 
 
Minha Linda Normalista
Ingrid Regina...
R$ 50,30
(A Vista)
INDISPONÍVEL

Refletindo sobre EaD e...
Cléber Lemos
R$ 38,50
(A Vista)






   > O passeio da Julinha



Maria Francisca dos Santos Lacerda
      CRôNICAS

O passeio da Julinha

 O passeio da Julinha
- Essa coisinha é gente pra andar sozinha?
A cabecinha loira voltou-se, olhou-me com o olhar desconfiado, parou e ficou a fitar-me. A acompanhante, uma senhora de meia idade, que fiquei sabendo  ser a babá, me disse: é assim, não quer mais dar a mão para andar...
Ela tinha um olhar triste. Parecia que duas lagrimazinhas estavam sempre a brotar de seus olhinhos. Dava a impressão de que aquela tristeza era antiga, sua companhia de sempre, porque não se atrapalhava com minha presença, não reclamava, nada dizia. Apenas olhava, um olhar comprido, perscrutador, enquanto a babá matraqueava alguma coisa que eu nem ouvia. Parece que dizia que teria levado a irmãzinha à escola e que estava a dar um passeio com a Julia, mas ela nem queria nada, estava emburrada, mas a mãe mandou etc e tal e falava, falava e eu ali, perto daquela coisinha, tentando fazê-la dar um sorriso que fosse.
E foi aí que notei que seu punho direito estava enrolado com alguma coisa, um pano, uma meia, uma gaze, talvez.
-Que foi no bracinho?
É pra não chupar o dedo, respondeu a babá. O pai faz assim, porque ela não quer saber de chupeta, só quer o dedinho.
E a pequena Julia, então, olhou pra seu bracinho e fez um biquinho de choro, mas nada disse e seus olhinhos ficaram molhados de novo.
Fiquei ali parada algum tempo, pensando sobre o agir daquele pai. Quem era eu para ditar alguma coisa, para dizer a ele, por meio da babá, que aquilo era uma grande maldade; que era uma meninazinha que nem 3 anos tinha ainda, que ela estava triste (será que ele não via?). Eu  nem ouvia o que mais que aquela tagarela da babá falava sem parar.
Afastei-me, sentindo-me impotente, frágil, vencida, diante daquele quadro de tristeza. Dei um adeuzinho pra ela e fui andando, mas com o coração apertado, de ver aquela criaturinha tão inocente e já sofrendo os revezes da vida.
Resolvi olhar para trás. Com surpresa, vi a Julinha levar a mãozinha amarrada aos lábios e mandar-me um beijo com um sorrisinho débil, como se sentisse a minha solidariedade e quisesse me consolar.
Fui para casa, retornei à rotina, mas aqueles olhos tristes ficaram gravados em minha alma.
Maria Francisca – 19 de novembro de 2010.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui