Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Vim te contar vinte...
Airo Zamoner
R$ 39,70
(A Vista)



Objetos-03-133
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > HISTÓRIAS DE ACORDAR LEMBRANÇAS



Nelson Hoffmann
      CRôNICAS

HISTÓRIAS DE ACORDAR LEMBRANÇAS

Foi assim, de cara, à primeira vista: um toque de nostalgia. Vi e estava dentro. Nas lembranças de mim mesmo. Dos encontros nos desencontros. Tangências nas distâncias. O ontem no hoje. Há quarenta anos.
Quando me ia da Faculdade de Direito da UFRGS, de Porto Alegre, o Emanuel Medeiros Vieira chegava. Recolhi-me ao silêncio da vida interiorana e ele mergulhou no burburinho da metrópole paulistana. Arranchei-me nas barrancas do rio Ijuí e ele fixou morada na Capital da República.
Em 1978, batemos de frente na Feira do Livro de Porto Alegre, sentamos lado a lado e autografamos. Mal nos falamos e seguimos caminhos. Correspondemo-nos.
Chegou-me, há pouco, o seu último livro, “Os Hippies Envelhecidos”. Contos, como deve ser. Emanuel Medeiros Vieira é poeta, ensaísta, novelista, sim, mas é no conto que ele se escala na seleção da Literatura Contemporânea do Brasil. O livro mereceu o “Prêmio Othon Gama D’Eça – 2002”, conferido pela Academia Catarinense de Letras, como o melhor livro publicado por autor catarinense em 2002.
São apenas dez os contos que compõem o livro. É uma pequena antologia e alguns ainda são destaque: “O cabalista tardio”, “Obsessivos-compulsivos”, o próprio conto-título “Os hippies envelhecidos”. Em todos comparece aquele que é o traço mais tocante de toda a escrita de Emanuel Medeiros Vieira: a sua profunda humanidade. Poucos autores são, hoje, tão humanos, tão expressivos da frágil condição humana, quanto esse catarinense radicado em Brasília. E a linguagem é tão própria ao texto que quase desaparece. Isso demonstra o pleno domínio da arte.
Naquele tempo, quando se estava em Porto Alegre, Sartre e Simone de Beauvoir pontificavam. Discutia-se Heidegger e Camus era reverenciado. Kafka era descoberto e Kierkegaard estava presente. Não se esquecia Gabriel Marcel, Merleau-Ponty, Bergson. Da e na aldeia, Armando Câmara era o “primus inter pares”, Ernani Fiori destacava-se, Ernildo Stein surgia e Gerd Bornheim impunha respeito.
De Brasília veio o AI-5; de Woodstock veio “Paz e Amor”. Os cabelos cresceram, as roupas espalhafataram. O mundo ia mudando, mudava, mudou. Sempre, até hoje. Ainda hoje.
Toda a obra de Emanuel Medeiros Vieira acompanha o tempo, registra as mudanças, testemunha. Não registra como quem faz um inventário, toma nota, aponta. Não. Emanuel faz a leitura do tempo, do tempo em que está inserido. Faz essa leitura, lendo-se a si mesmo. Lendo-se a si mesmo, no que tem de essencial, lê-se como ser humano universal.
Oriundo das discussões existencialistas e partícipe dos movimentos estudantis, Emanuel Medeiros Vieira traz consigo a bagagem dos sonhos de mudança. O tempo passa, os sonhos voam, fica a angústia. É a vida.
Há quem aproxime Emanuel Medeiros Vieira dos grandes memorialistas da Literatura Universal. Tem fundamento, até concordo. Mas, cutuca-me uma pergunta:
- E Hemingway?
As histórias de Hemingway acompanham a história do próprio escritor. Hemingway escreve sobre seu tempo e seu mundo escrevendo sobre si, fazendo ficção. Em histórias curtas, quase reportagens, estilo objetivo. É a sua visão de mundo.
Hemingway era outro ícone.
As histórias de Emanuel Medeiros Vieira acompanham a trajetória de sua vida e refletem sua realidade. A realidade vista por dentro, por quem está dentro dela e a expõe. No que tem de essencial. E de humano. De humanamente essencial. Dentro da fugacidade do tempo.
Tempo que me trouxe saudades, levou-me à nostalgia. De supetão, só pela leitura do título: “Os Hippies Envelhecidos”. Depois, quando li o livro, aos poucos, e deixei as lembranças aflorarem, de vez, eu fui sabendo, devagar, eu soube, tomei conhecimento, acordei que o tempo, afinal, que o tempo não era tão passado assim.
Nós passamos. Ao meu redor, tudo era como sempre foi.
_____________________
Autor de O Homem e o Bar
E-mail: n.hoffmann@via-rs.net




CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui