Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
45 dias e noites
Nadia Rockenback
R$ 30,00
(A Vista)



Contos de Curitiba
Airo Zamoner
R$ 36,50
(A Vista)






   > Pássaro da noite



Maurício Cintrão
      CRôNICAS

Pássaro da noite

Essa coisa de morar no Interior e estar fascinado pelas
novidades do campo cria uma predisposição a aceitar tudo como
natural. Se é diferente, é da terra, é da região. E quase
sempre é, mesmo! Como sou janotinha da Capital, acabo me
esforçando e acostumo com essas novidades.

Pois bem, tenho o estranho costume de acordar por volta das
3h00, sempre. Levanto, vou ao banheiro, depois tomo um copo
de água (eventualmente um toddynho), fumo um cigarrinho e
volto a dormir.

A essa hora da madrugada, o silêncio é marca registrada de
Pindamonhangaba. Ocasionalmente, ouve-se o latido preguiçoso
de um cachorro aqui, a resposta incomodada de outro cachorro
ali e tudo volta ao sossego.

De vez em quando, porém, ouço um pio diferente vindo da rua.
Ele não é constante. Aparece, dura um pouco e some. Quase
toda noite é assim. É um piado com dimensões dramáticas nesse
silêncio das vigílias pindenses. Faz puriii-puriii e pára.
Logo volta: puriii-puriii e pára.

No começo, eu achava exótico um pássaro cantar à noite. Com o
tempo, fui aceitando a idéia. E até simpatizei com o
bichinho. Ora, no Interior tem bichos que na Capital nem
existem mais. Bom, coruja eu sabia que não era. O gruuuu,
gruuuu da ave zoiúda eu conheço. Não é nem de longe parecido.

Eu vinha ensaiando para perguntar ao pessoal da região sobre
a ave da madrugada. Mas a correria do dia-a-dia me leva a
tratar de outras coisas, deixando de lado o esclarecimento.
Ainda bem que não perguntei.

Ontem, cheguei super tarde, madrugadão mesmo. A essa hora,
não tem porteiro no prédio. Abri o portão com a chave
eletrônica, entrei com o carro, estacionei, fechei o portão
e, quando abria a porta do hall de entrada, ouvi a ave cantar
novamente.

Era um canto forte e estava próximo. Larguei as coisas no
chão e fui em direção à rua. E vi o guarda-noturno
em sua bicicleta, avisando à noite que estava na ronda. Na
mão, o apito de caça. Nem deve ter notado a minha cara de
paulistano idiota que acredita em tudo.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui