Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2527)  
  Resenhas (129)  

 
 
Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)



Dança de Salão:...
Maristela Zamoner
R$ 29,80
(A Vista)






   > A MORTE DE "ZÉ PREÁ "



Carlos Alberto Omena
      CONTOS

A MORTE DE "ZÉ PREÁ "

“Zé Preá” morreu! “Zé Preá” morreu!
Mataram “Zé preá”! ” Zé Preá” morreu!
Foi gritando assim esbaforido e ofegante que Romeu entrou na cidade.
“Zé Preá” era uma dessas pessoas pitorescas que existem em todas as cidades e que acabam ficando conhecida por todos.
Ele era o ponto de referência na região e os habitantes do mais novo ao mais idoso conheciam e gostavam muito do “Zé Preá” pois,apesar de ser um andarilho e morar na rua, era atencioso,cortês,educado e, sempre que se precisasse, estava pronto a ajudar. Em gratidão a população local dava-lhe roupas e comida.
Mas agora “ Zé Preá” estava morto.Pelo menos eram os rumores que corriam na cidade.
Afinal,de que morrera o infeliz ? Porque matar um homem daqueles que sequer fez mal a alguém?
Ao questionar o portador da malfadada notícia, Romeu explicou que estava enchendo a cara com  o “Zé “ na mata  quando saiu para buscar mais aguardente e quando voltou simplesmente encontrou o corpo do amigo largado embaixo de um coqueiro.Apavorado ,resolveu voltar à cidade e contar a notícia.
Refeito do susto inicial, um grupo de moradores acompanhados por Romeu resolveu ir à mata e resgatar o corpo do desvalido para ao menos dar-lhe em velório e um enterro digno.
A população toda se mobilizou sem demora providenciando caixão,velas,flores e até o salão da igreja foi cedido pelo padre local para que o pobre  fosse velado.
Lá pelas tantas da madrugada,ao meio da ladainha das rezadeiras,do choro da mulherada, a prosa em tom baixo e respeitoso dos homens , interrompida às vezes para uma boa “ lapada” de aguardente da boa,algo muito estranho aconteceu.
Um dos presentes ao aproximar do caixão para um último adeus ao falecido, arregalou os olhos,arrepiou os cabelos e num esforço incomum gritou:
-“Zé Preá” mexeu!
Foi um pandemônio geral.Era mulher correndo de um lado, homem gritando de outro, o padre que estava bem próximo fazendo suas orações nem pestanejou .Levantou a batina e se pôs  em disparada berrando alucinado: Virgem Maria,valei-me,“Zé preá mexeu!,”Zé Preá” mexeu!
Não ficou ninguém no velório,só  o morto,coitado.
Passado o susto, o grupo fujão,desconfiado,com medo, começam um a um a voltar à igreja e para surpresa geral encontram “Zé Preá” sentado no caixão,ainda com algodão no nariz e xingando a todos pela brincadeira.
Um dos presentes,mais afoito,numa rara demonstração de coragem ,cria forças e pergunta:
-“Zé Preá”,tu não morreu ?
- Morri coisa nenhuma seus malucos ! e continua:
-A única coisa que me lembro é que eu estava na mata embaixo de um coqueiro tomando uma cachaçada para me  aquecer quando um côco caiu na minha cabeça e só acordei agora nesse lugar apertado e coberto de flores.
Até hoje “Zé Preá” perambula pela cidade e sempre que alguém lembra o episódio de sua morte,desconversam ,envergonhados do mico que pagaram.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui