Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Cidades-01-186
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Provérbios de AKEL no...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 40,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > Um Olhar-me neste 19 de Março



Fernanda Guimarães
      CRôNICAS

Um Olhar-me neste 19 de Março

Desperto e o dia de ontem boceja em meus olhares. Um amontoado de acontecimentos a desalinhar qualquer serenidade, contrariando todos os prenúncios de calmaria que entoa o amanhecer.
Há dias em que as emoções, como livros empilhados ao acaso, caem das prateleiras da alma. Há dias de vendavais e de caminhos tortuosos, onde os passos afundam-se nas inquietações que interrompem e pausam o avançar. O tempo parece correr ao contrário, marcando o presente de imagens que já não existem ou que habitaram a memória do desejo. Há dias de pontes ruírem, quando apenas o olhar consegue vislumbrar o outro lado...
Ontem foi manhã de chuva fina...dentro de mim, uma tempestade silenciosa, como convém aos dias de solidão de mim mesma. Feriado na cidade e nas ruas, o silêncio ...no mais profundo de mim, o barulho de todas as sirenes das fábricas, o caminhar apressado dos que estão sempre atrasados e sons de buzinas em horário de rush. Podia sentir os músculos retesados e as mãos a procurarem nas palavras alguma forma de libertação e tranquilidade. Mas as letras não se deixavam escrever. Disformes, nem se sabiam vogais ou consoantes. Pareciam não querer registrar os matizes brumosos das minhas palavras e do dia, em que paz podia ser calada pela voz de apenas um homem.
No mundo, prenúncio de guerra e o grito lancinante de todas as dores que viriam. E o que parecia fisicamente tão distante de mim, eclodia a todo momento à minha volta. No olhar de Thaís, minha filha de 9 anos, pude sentir a repercussão da guerra iminente. Pela primeira vez, ela convivia concretamente com o ódio, com a maldade e a intolerância...a guerra saía do cenário dos livros, dos filmes e aportava na nossa sala, no quarto dela, na casa enfim. Muitas vezes, notei-a com o olhar fixo nas imagens que a TV reproduzia. E ela me fitava, como se eu pudesse ter respostas para tudo a que ela assistia.
Em meio ao dia que transcorria, a notícia da morte do amigo Jean Louis, tornou mais cinza o 19 de março...pensei na simbologia deste dia para nós cearenses. É dia de São José, padroeiro do Estado. O sertanejo acredita, que ao chover neste dia, confirmar-se-á um bom inverno. É dia então de esperança!
Fechei os olhos e, em minha pequenez, comecei a refletir...dentro de mim, tantas guerras acontecendo! O mundo tem menos paz, também por isto! Lembrei-me dos abraços que contive por orgulho, dos silêncios que alimentaram meu egoísmo, quando eu sabia que a minha palavra podia ser carícia aos olhares de alguém...lembrei-me do telefonema que não dei, quando havia alguém precisando ouvir a minha voz...pensei nos duelos que travo com os meus sonhos, fazendo-os adormecer, porque os meus olhos não conseguem construí-los à luz do dia, dando-lhes cores e asas...pensei nos medos que faço habitar em meu coração, quando ele quer apenas amar, e eu o bombardeio com os mísseis dos senões, das hesitações, simplesmente, porque de outras vezes, em que me permiti a entrega, houve dor e eu precisei matar meus anseios e desejos...
Sim, ainda existem muitas bandeiras brancas que só podem e precisam ser hasteadas pelas mãos da minha esperança...

Em 20.03.2003 às 19:30


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui