Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Os segredos de Lauriana
Airo Zamoner
R$ 25,50
(A Vista)



Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)






   > E se caísse a TV?



Maurício Cintrão
      CRôNICAS

E se caísse a TV?

O dicionário caiu no chão com um estrondo. E afloraram todos
os sinônimos dos meus medos. Você já derrubou uma televisão
ligada? Pois é, eu também não. Da mesma forma que nunca havia
derrubado um dicionário. Entrei em pânico. Foi como se
tivesse cometido o maior de todos os desrespeitos.

Não que derrubar uma TV seja desrespeitoso. Mas só a idéia do
tombo e a suposição do estrago assustam. Ora, um dicionário é
uma TV sempre ligada em programas interessantes. Só não
precisa de tomada ou controle remoto. E não tem comerciais.
Melhor ainda: não tem novela das oito, nem futebol.

Ora, você diz, é um absurdo comparar um livro a uma aparelho
de TV. Mas dicionário não é um livro. É mais, é muito mais do
que um livro. Um dicionário é uma biblioteca inteira. São
décadas, séculos, milênios de conhecimento. Tragédias, dramas
e silêncios estão ali, espremidinhos, em pequenos, médios e
grandes verbetes. Feito TV.

A TV tem o mundo em um pequeno retângulo de vidro. É certo
que nela há sons e imagens o que, ademais, nos dicionários
está apenas sugerido. Mas para bom leitor, meia palavra
basta. Na TV e nos dicionários encontro explicações e novas
dúvidas. Descubro o mundo. Reconstruo a mim mesmo.

A sua risadinha irônica pode antecipar um comentário do
tipo: "esse é um alienado!" Bobagem! Essa idéia dos tempos da
Ditadura já caiu em desuso. TV é muito mais que um
instrumento alienante e manipulador das massas. Através dele
é possível recontar a história. Essa talvez seja a
característica enciclopédica da TV. Ainda vão descobrir
formas comerciais e rentáveis de se fazer bons programas
televisivos, como já fazem bons dicionários.

Só não os derrube. Os danos podem ser irremediáveis. Deixei
cair o Aurelião e fiquei abalado como se tivesse derrubado
todos os autores de uma vez. Igual ao tombo de uma TV em
final de Copa do Mundo. Um exemplo assustador de como é
frágil o poder de todos os escritos. Como são frágeis os
sentimentos de um espectador quando acaba a luz.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui