Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

MINHA PRIMEIRA COMUNHÃO

Tinha quase nove anos. Fui criada na religião católica. Meus pais eram muito religiosos. Quando se aproximava o Natal, eles promoviam lá em casa uma novena. Além da família, os vizinhos também participavam. Após a novena, eu me sentava ao piano e tocava várias músicas sacras, inclusive a Ave Maria de Schubert. Todos me aplaudiam, dizendo que eu executava com técnica e sentimento as partituras. Quando completei meus nove anos, minha mãe me informou que a Diretora da minha escola, Da. Neide Arruda Leal, desejava que seus alunos da terceira série fizessem a preparação para a primeira Comunhão com as catequistas da Igreja... (leia mais)

IVETE FLORES CATTA PRETA RAMOS




DIREITOS CULTURAIS EM PERSPECTIVA: A FAVOR OU CONTRA?

A 10 de dezembro de 1948 era adotada e proclamada a resolução 217 A (III), pela Assembléia Geral das Nações Unidas. A Declaração Universal dos Direitos Humanos encontra-se traduzida em mais de 300 línguas em seu site oficial (www...) O texto pode ser impresso e arquivado. Vivido? Este o problema maior... A questão da efetiva observância de tais direitos tem sido discutida e analisada, mas há pontos polêmicos, específicos, delicados. E os impasses tornam-se ainda maiores no tocante aos direitos culturais... O que são, afinal, os Direitos Humanos? Por acaso uma definição e uma observância mais satisfatórias destes direitos contribuiriam para melhorar a sorte de seres humanos que vivem situações de injustiças? Isto lhes garantiria uma melhor... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Andre Luiz Augusto da Silva

  AUTOR  
 
Andre Luiz Augusto da Silva

 

André Luiz Augusto da Silva, nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais em 28 de Novembro de 1985.

Um escritor que se dirige a um contexto único e ao mesmo tempo diversificado com seu modo de olhar para o mundo. Seus textos se dirigem ao conteúdo ímpido e feroz dos sentimentos e emoções sentidas pelo homem em sua vida moderna, seus medos, suas vontades e seu próprio e delicado conteúdo vital.

Em textos publicados manualmente trazem controvérsias entre os leitores, pois tenta de certa forma relatar um cotidiano eficaz e vazio aos prazeres da vida. Sua história única de forte influência em vida de seus familiares e amigos trazem surpresas e a vontade de expor para fora o que sentimentos em palavras pausadas, para que possamos sentir o que esta de certa forma guardado em nossos conceitos.

Em seu primeiro texto relata uma forma única de demonstração e irritação ao contexto da vida, demonstrando que somos importantes e muita das vezes não enxergamos tal coisa.

Um pequenino texto atraente para quem se sente vago e um pouco perdido, entretanto se trata do início do nada em nossas vidas.

 

André Luiz 17/10/11