Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O MERGULHO

Aquele brusco tremor o impulsionou violentamente para trás. Já sentira isso há muito tempo, quando inadvertidamente, colocara o dedo no bocal de uma lâmpada. Experiência assustadora! Alguma coisa entrara subitamente em seu corpo. Ao mesmo tempo em que, num ato reflexo, puxara a mão de volta, sentira uma contraditória atração. Queria levar outro choque! Quantas vezes, ao ver um bocal sem lâmpada, sentira novamente aquela estranha tentação. Sempre resistiu bravamente. Agora, contudo, num misto de sofrimento e prazer, toda aquela sensação se repetia e nada tinha a ver com o choque elétrico! Letras. Palavras. Livros. Depois que dominara as letras, passara a admirar as palavras. Ficava horas, olhando e pensando nelas. Letras sem sentido adquiriam uma espécie de vida... (leia mais)

Airo Zamoner




Encerra-se a primeira turma de pós-graduação em dança de salão com magnífica produção científica.

Para a dança de salão brasileira, o ano de 2005 é um divisor de águas. A partir desta data, começa a educação formal na área, o que se deve à abertura da primeira turma de pós-graduação em dança de salão, na Faculdade Metropolitana de Curitiba - FAMEC. O curso tem duas coordenadoras, uma das quais, conhecida por fazer parte do âmbito da dança há muito tempo: Gracinha Araújo. Devido a uma vida dedicada à dança clássica, enfrentou os preconceitos vigentes no meio da dança de salão, superando as dificuldades. Com Abigail Carneiro, tornou realidade, de maneira pioneira, o que muitos só sonharam. O resultado... (leia mais)

Maristela Zamoner




Default



   > Gabriel Cavalheiro Tonin

  AUTOR  
 
Gabriel Cavalheiro Tonin

Nasci e cresci na mesma cidade. Aprendi a ler e a escrever com minha irmã aos 3 anos de idade. Iniciei meus estudos na primeira série com 5 anos de idade, em 2001. A partir dos 14 anos comecei a escrever com maior frequência, e agora chego ao tempo em que, com meus 16 anos de idade, tenho a responsabilidade de divulgar o que escrevo. Vivenciando cada dia como se fosse o último,a literatura me fez aprender que até os mínimos detalhes podem ser encantados e modificados pelo poder da palavra.