Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

Cãimbra do escrivão, a deficiência, o deficiente e a felicidade.

Como portadora da cãimbra do escrivão, entendo que, a partir do momento que compreendemos, mesmo que em linhas gerais, a natureza biológica do problema e a condição em que a Ciência se encontra diante dele, podemos nos posicionar com atitudes e pensamentos para descobrir formas de sermos felizes, o que, acredito, deveria ser o objetivo principal de cada ser humano. Para sermos felizes, precisamos ser produtivos, fazendo parte da sociedade de maneira contributiva. Li muitos trabalhos científicos até entender bem o que é esta condição e as escolhas que temos diante dela. Talvez por ser bióloga, percebi logo, um ano antes do meu diagnóstico, em meados de 2001, que não era um problema ortopédico. Fui direto a um neurologista, que me encaminhou para outro e para outro... (leia mais)

Maristela Zamoner




A INDISPENSÁVEL FORMAÇÃO DO ESCRITOR

Por força de nossa tarefa diária como editor da Editora Protexto, nos deparamos com centenas de escritores ansiosos por terem seus textos avaliados e desejosos de publicarem suas obras. Tarefa árdua a nossa, pois termina sempre numa sucessão de negativas frustrantes. Ao contrário do que muitos pensam, o primeiro passo para se tornar um escritor não é a publicação de um livro, mas sim, a busca de sua formação para encarar a tarefa de escrever com profissionalismo. Durante alguns anos ministrei um Curso de Escritores através da Casa do Escritor que infelizmente foi desativada. O Curso que era feito pela Internet e o atendimento, personalizado. Após quase dois anos de existência,... (leia mais)

Airo Zamoner




Default



   > Andre Luis Suaide

  AUTOR  
 
Andre Luis Suaide
André Luis Suaide nasceu em Recife - PE em 1980. Morou em Recife e Salvador até os dez anos, quando mudou-se para o sul do país. Passou sua adolescência em Ribeirão Preto-SP, onde deixou amigos, amores, felicidades, tristezas que, mesclados, se tornam ótimas lembranças.
Aos dezessete anos, mudou-se para São Paulo; já desenhava alguns rabiscos, mas em São Paulo viu-se no último ano do ensino fundamental em um colégio novo, com novos rostos, com um vestibular se aproximando. Seus textos se tornaram um escape para essa nova situação. A vinda para São Paulo, porém, aproximou-o dos seus tios e primos que se tornaram, acima de tudo,excelentes amigos.