Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

COLEÇÃO ARQUIVOS - TESOUROS ETERNOS DA LITERATURA IBERO-AMERICANA

Livros à mancheia têm-me chegado nestes últimos meses, levando-me a um profundo mergulho no tempo. A uma reflexão intensa sobre o quanto desconhecemo-nos, ainda que parte imensa nesta América, latina e de proporções gigantescas no tocante a problemas, sim, mas também no tocante à riqueza cultural. Muitas das edições que tenho recebido não são atuais, porém preciosas ao nosso processo de busca e de integração, no qual o fator cultural faz-se imprescindível. Sem conhecermos o passado, lutamos por uma identidade inexistente, segundo alguns autores especializados no estudo e na pesquisa do fenômeno cultural ibero-americano. E as novidades, às vezes antigas, nos impedem este retorno urgente à nossa formação, à nossa certeza de que somos dignos de respeito pela... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Anthologie...

Obra: „Anthologie de la Poésie Romantique Brésillienne » - Bilingüe (Port. / Fr.) Poemas escolhidos por Izabel Patriota P. Carneiro, apresentados por Didier Lamaison e prefaciados por Alexei Bueno Versão francesa: Adrienne Álvares de Azevedo Macedo, Didier Lamaison e Cécile Tricoire Editoras: UNESCO PUBLISHING / EULINA CARVALHO Formato: 14 x 21cm Páginas: 257 Preço: 27,45 € 2002, ISBN: 92-3-003786-9 Na década consecutiva à da Independência obtida em 1822, chega ao Brasil a revolução das sensibilidades que já soprava sobre a Europa após o início do século. O Romantismo brasileiro aparece com a publicação, em Paris, de “Suspiros Poéticos e Saudades”, de Gonçalves de Magalhães, em 1836. Mas é com Gonçalves Dias que nasce verdadeiramente a grande poesia... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Arlete Meggiolaro

  AUTOR  
 
Arlete Meggiolaro
Em abril, mês das "rosas de Dorival Caymmi", numa humilde casa de vila na zona Norte desta mega metrópole de São Paulo, o jovem casal acolhe num berço simples a primogênita Arlete. Algumas décadas depois, no início do ano de 2001, por fatores externos alheios à minha vontade, injetaram-me nas veias a síndrome do pânico. Esta me encarcerou atrás das barras de ferro do não existir. Em dezembro do mesmo ano, um poema do autor A.C.F. penetrou-me e ejaculou em meu íntimo o sêmen da palavra. Eu não era poetisa, mas nasceram textos e os reuni como poemas. Nesse período, descobri que amava a palavra. Desde então, fui ao encontro desta analista, e não tive mais vontade de parar de escrever. No Museu Lasar Segall, com o Professor Gilson Rampazzo, frequentei em curto período, a Oficina Literária. Numa frenética busca pela internet, deparei com o escritor e professor Airo Zamoner. Com este mestre comecei a entender que poderia exibir minhas silhuetas de forma linear. Não abandonei o descontínuo, estes se encontram noutras páginas. Através deste manancial da palavra, afoguei a síndrome do pânico. Renasci. Arlete Meggiolaro