Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O MERGULHO

Aquele brusco tremor o impulsionou violentamente para trás. Já sentira isso há muito tempo, quando inadvertidamente, colocara o dedo no bocal de uma lâmpada. Experiência assustadora! Alguma coisa entrara subitamente em seu corpo. Ao mesmo tempo em que, num ato reflexo, puxara a mão de volta, sentira uma contraditória atração. Queria levar outro choque! Quantas vezes, ao ver um bocal sem lâmpada, sentira novamente aquela estranha tentação. Sempre resistiu bravamente. Agora, contudo, num misto de sofrimento e prazer, toda aquela sensação se repetia e nada tinha a ver com o choque elétrico! Letras. Palavras. Livros. Depois que dominara as letras, passara a admirar as palavras. Ficava horas, olhando e pensando nelas. Letras sem sentido adquiriam uma espécie de vida... (leia mais)

Airo Zamoner




“D” DE “DEUTSCHLAND”, POR QUE, ENTÃO, “ALEMANHA”???

Uma tradução de Tânia Gabrielli-Pohlmann “D” = “Deutschland”? Que coisa estranha! Quem fala português, diz “Alemanha”; em espanhol este país se chama “Alemaña”; aqueles que falam inglês, adotaram o termo “Germany” e quando se vai para o Leste Europeu, o “Schwabo” é que designa o cidadão alemão. Mas o que se vê nas placas de automóveis alemães é a letra “D” indicando “Deutschland”. Por quê? De onde vêm tantos termos diferentes para indicar um único país? A língua alemã e o povo alemão formaram-se, basicamente, através de diferentes grupos étnicos, tendo cada qual sua língua. A existência de registros escritos em língua alemã remonta ao Século VIII d.C.. A língua oficial era o latim, mas o povo se comunicava em seus... (leia mais)

Clemens Maria Pohlmann




Default



   > Maristela Zamoner

  AUTOR  
 
Maristela Zamoner
Maristela Zamoner. É autora de livros, capítulos, artigos de divulgação e científicos desde 1995, totalizando cerca de uma centena de publicações. Paletrante em eventos como Festival de Dança de Joinville - Ritmos a Dois (SC), Semana da Mimulus (MG), Encontro Campinense de Dança de Salão (PB), Salão Rio Dança (RJ). Profissional em Dança de Salão desde 1995, recebeu prêmios nacionais e internacionais como professora, dançarina e coreógrafa. Entre os prêmios destacam-se Mérito Educacional (Estado do Paraná), destaque pelo prêmio Itaú-Unicef de educação e pela entidade Soroptmist (EUA/Flórida), obtendo primeiro lugar do Prêmio Jovem Talento - Dança de Salão. Atua profissionalmente em consultorias ambientais e como bióloga no Museu de História Natural Capão da Imbuia, onde desenvolve atividades como organização e publicação de materiais bibliográficos. É Licenciada em Ciências Biológicas (UFPR), Especialista em Educação (IBPEX) e mestre em Ciências Biológicas (UFPR).