Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

“D” DE “DEUTSCHLAND”, POR QUE, ENTÃO, “ALEMANHA”???

Uma tradução de Tânia Gabrielli-Pohlmann “D” = “Deutschland”? Que coisa estranha! Quem fala português, diz “Alemanha”; em espanhol este país se chama “Alemaña”; aqueles que falam inglês, adotaram o termo “Germany” e quando se vai para o Leste Europeu, o “Schwabo” é que designa o cidadão alemão. Mas o que se vê nas placas de automóveis alemães é a letra “D” indicando “Deutschland”. Por quê? De onde vêm tantos termos diferentes para indicar um único país? A língua alemã e o povo alemão formaram-se, basicamente, através de diferentes grupos étnicos, tendo cada qual sua língua. A existência de registros escritos em língua alemã remonta ao Século VIII d.C.. A língua oficial era o latim, mas o povo se comunicava em seus... (leia mais)

Clemens Maria Pohlmann




Cãimbra do escrivão, a deficiência, o deficiente e a felicidade.

Como portadora da cãimbra do escrivão, entendo que, a partir do momento que compreendemos, mesmo que em linhas gerais, a natureza biológica do problema e a condição em que a Ciência se encontra diante dele, podemos nos posicionar com atitudes e pensamentos para descobrir formas de sermos felizes, o que, acredito, deveria ser o objetivo principal de cada ser humano. Para sermos felizes, precisamos ser produtivos, fazendo parte da sociedade de maneira contributiva. Li muitos trabalhos científicos até entender bem o que é esta condição e as escolhas que temos diante dela. Talvez por ser bióloga, percebi logo, um ano antes do meu diagnóstico, em meados de 2001, que não era um problema ortopédico. Fui direto a um neurologista, que me encaminhou para outro e para outro... (leia mais)

Maristela Zamoner




Default



   > Paulo Tasso Diniz Filho

  AUTOR  
 
Paulo Tasso Diniz Filho

 Sou um apaixonado por literatura. Aprendi a ler muito cedo, e sempre fui aficionado por qualquer coisa que envolva o mundo da escrita. Lia de tudo, revistas, enciclopédias, manuscritos. Primeiramente fui um grande fã da literatura de Agatha Christie e Sidney Sheldon. Com o passar do tempo, me direcionei para uma literatura mais clássica, menos atrelada a histórias mirabolantes e grandes aventuras. Me identifiquei com temas relativos ao homem, a crítica a todos seus valores, a exploração de seus sentimentos, de seu caráter,  e o seu desespero perante a sua própria existência. Meu autores preferidos são Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade, Franz Kafka, Fiódor Dostoiévski e Thomas Mann. Também gosto de ficção ciêntifica, e temas relativos a astronomia,  de autores como Carl Sagan e Júlio Verne.

 

 Sou estudante do quarto ano do curso de Engenharia de Materiais - Unesp