Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

“D” DE “DEUTSCHLAND”, POR QUE, ENTÃO, “ALEMANHA”???

Uma tradução de Tânia Gabrielli-Pohlmann “D” = “Deutschland”? Que coisa estranha! Quem fala português, diz “Alemanha”; em espanhol este país se chama “Alemaña”; aqueles que falam inglês, adotaram o termo “Germany” e quando se vai para o Leste Europeu, o “Schwabo” é que designa o cidadão alemão. Mas o que se vê nas placas de automóveis alemães é a letra “D” indicando “Deutschland”. Por quê? De onde vêm tantos termos diferentes para indicar um único país? A língua alemã e o povo alemão formaram-se, basicamente, através de diferentes grupos étnicos, tendo cada qual sua língua. A existência de registros escritos em língua alemã remonta ao Século VIII d.C.. A língua oficial era o latim, mas o povo se comunicava em seus... (leia mais)

Clemens Maria Pohlmann




Anthologie...

Obra: „Anthologie de la Poésie Romantique Brésillienne » - Bilingüe (Port. / Fr.) Poemas escolhidos por Izabel Patriota P. Carneiro, apresentados por Didier Lamaison e prefaciados por Alexei Bueno Versão francesa: Adrienne Álvares de Azevedo Macedo, Didier Lamaison e Cécile Tricoire Editoras: UNESCO PUBLISHING / EULINA CARVALHO Formato: 14 x 21cm Páginas: 257 Preço: 27,45 € 2002, ISBN: 92-3-003786-9 Na década consecutiva à da Independência obtida em 1822, chega ao Brasil a revolução das sensibilidades que já soprava sobre a Europa após o início do século. O Romantismo brasileiro aparece com a publicação, em Paris, de “Suspiros Poéticos e Saudades”, de Gonçalves de Magalhães, em 1836. Mas é com Gonçalves Dias que nasce verdadeiramente a grande poesia... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Luiz C. Lessa Alves

  AUTOR  
 
Luiz C. Lessa Alves

  Poesias
  QUANDO EU ERA PEQUENO
  OCASO
  TIMIDEZ
  SEGURANÇA E PAZ
  O CASARÃO - MONÓLOGO
  LUAR NA PRAIA
  ANJO DA GUARDA
  A LUA E EU
  A COLCHA
  O GALHO E O PASSARINHO
  MEU CURIÓ
  SOLIDÃO OUTRA VEZ
  MEU BARQUINHO DE PAPEL
  FLAMENGO E A BOLA
  RODOVIAS DO BRASIL
  A CANETA
  OVELHAS FERIDAS
  NOITE DE NATAL
  RETIRANTES
  UM TOQUE UMA ESPERANÇA
  POR QUÊ
  PORTAS FECHADAS
  SEMEADURA
  SEM MOBÍLIA
  JOSÉ JOÃO E MARIA
  SILÊNCIO
  PEQUENO MUNDO
  O HOMEM
  O SÍTIO DO VOVÔ
  A CANOA E O NAVIO
  A FLOR E O FRUTO
  VÍCIOS DA MOCIDADE
  SONHO E DESILUSÃO
  ÂMBITO E RECINTO
  FUGA
  O MURCHAR DA FLOR
  SEM TINO
  MINHA CASA
  MULHER
  MINHAS PASTAS
  O COLIBRI
  RAZÃO E SENTIMENTO
  PAI E FILHO - PAÍSES E NAÇÕES
  ALEGRIA DE POBRE
  FÉRIAS NA BAHIA
  CASA SEM ALMA
  SEGREDO
  O TEMPO
  SOLIDÃO
  NOITE URBANA
  MEU MUNDO
  ANOITECER
  SER BRASILEIRO
  UM PÔR-DO-SOL NA BAHIA
  A NOITE EM GRUMARI
  SUBSTITUTO DO AMOR
  MARINHEIRO
  O ANIVERSÁRIO
  A ABELHA
  MINHA MONTANHA
  MEU SABIÁ
  TODOS INDEFINIDOS
  PAREDES
  Resenhas
  QUANTOS IDIOTAS HÁ NO BRASIL
  PAC
  A EXPULSÃO DE HERNANES
  Artigos
  O LIVRO
  Ensaios
  MENTIRAS DE PERNAS LONGAS
  SONHO PRECOCE - 2014 - MONÓLOGO
  FELIZ: SER OU NÃO SER
  Contos
  COLCHA DE RETALHOS
  A CASA DO VOVÔ
  PROFESSORA E ALUNO
  O HOMEM
  AQUELES DIAS
  SANSÃO
  NOMES APENAS NADA MAIS
  O VIAJANTE E AS PÉROLAS
  A GUERRA
  A PRIMAVERA
  O PEQUENO PESCADOR
  VINGANÇA
  CORISCO
  EMBARQUE - A CASA - ESCONDIDO POR TRÁS DA BARBA
  Crônicas
  RIO DE JANEIRO OU FAIXA DA GAZA
  TIRIRICAS E BROMÉLIAS
  MANGAS-LARGAS DO RIO
  SERÁ RONALDINHO TAMBÉM
  BRASIL EM FESTA
  CENSURA E DEMOCRACIA
  EXCREMENTO ON-LINE
  OS NÔMADES E O SOBERANO
  OS IRMÃOS CEGOS
  A VIAGEM
  Pensamentos
  COISAS
  O CERTO E O DUVIDOSO
  VIDA
  INQUISIÇÃO PLANETÁRIA
  REFLEXÃO E DECISÃO
  ERAS
  PRINCÍPIOS
  COLHE-SE O QUE SE PLANTA
  PAI E FILHO
  A CASA
  A ÁRVORE E O MACHADO
  RUI, O GÊNIO.
  A CONSCIÊNCIA DO IMIGRANTE